Matheus Brum Matheus Brum 29/02/2016

A passividade do torcedor

matheusAi ai, torcedor é um "bicho" muito engraçado mesmo. Vira e mexe me surpreendo como nós (me incluo na conta) somos capazes de ir do "inferno" ao "céu" ou vice e versa em um curto espaço de tempo.
Futebol envolve uma paixão muito grande, um sentimento que não conseguimos explicar, apenas sentir. Justamente por causa disso, temos comportamento que vão além da razão e que só podem ser explicadas com o coração.

Seu time está com três derrotas no campeonato, você está com raiva, aí, todas as críticas feitas são contundentes, afinal de contas, as coisas não estão bem. Pois bem, na próxima partida, uma vitória. As críticas continuam. Mas como assim? Criticar após uma vitória? Não, não! Isso não está certo.

Provavelmente as críticas estão sendo feitas por uma pessoa que torce por um clube rival, ou que está "querendo aparecer". Onde já se viu alguém que nem torce pro meu time falar mal dele?
O time vai e ganha mais três jogos. Nossa Senhora, aí o torcedor entra em êxtase! E ai de quem falar mal. O clube pode estar um caos administrativamente falando, problemas financeiros, jogador entrando na justiça, salários atrasados e tudo mais, mas nada disso importa, o que vale mesmo são os três pontos. Ah, e não podemos esquecer do técnico que é melhor que o Guardiola e daquele centroavante que merecia uma chance na seleção.

Depois disso, o time perde os próximos três jogos. Meu Deus, aí a crise chega no CT. Torcedor vaia depois da partida. Jogadores são ameaçados; aquele centroavante que era seleção não passa de um “pereba” e “perna de pau”, que não joga nem no pior time do mundo, e são organizados vários protestos contra a má fase do time. Além disso, a cabeça do treinador, diretor executivo, vice-presidente de futebol, gerente de futebol, presidente, e todo mundo da diretoria são pedidos.

Ah, e lembra daquele jornalista que quando o time começou perdendo, criticou o time e você concordou? E que quando conquistou as vitórias, pontuou que o time estava bem em campo e mal fora dele, e você “caiu matando”? Agora que a equipe está mal, ele continuou explanando sobre os problemas e, de novo, voltou a concordar e fazer coro, compartilhando suas ideias e tudo mais.

Brincadeiras à parte, a paixão é tão grande que foge do controle da razão. Se alguém conseguir entender um torcedor, parabéns! Merece um prêmio Nobel. A única situação que acho lamentável é quando essas críticas, seja para os jogadores, treinadores, juízes, diretores e jornalistas partem para o pessoal, ou são feitas de formas desrespeitosas. Afinal de contas, é importante respeitar sempre a opinião e o trabalho alheio. Enfim, futebol e torcedores, obrigado por existirem. Me divirto muito com vocês.

Outros destaques

1° - Tupi vence segunda seguida no Mineiro. A partida contra o Tombense foi muito parecida com a partida contra o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora. Naquele jogo, o Galo teve mais chances e posse de bola, porém, não conseguiu colocar a bola no fundo do barbante, e acabou sofrendo com gol de bola parada. Nesse final de semana, a situação inverteu. A equipe de Tombos teve mais presença ofensiva, mas graças a grande atuação do goleiro Glaysson, aliado com um bom aproveitamento das chances criadas, o time conseguiu a primeira vitória fora de casa. Ainda falta muita coisa a melhorar dentro de campo, como o próprio Ricardo Drubscky disse na coletiva pós-jogo. Vale a pena atentar ao fato de que o futebol não é importante só apenas dentro de campo.

2° - Semana tensa para o Palmeiras. Com um início muito instável no Paulistão, técnico Marcelo Oliveira está na corda bamba. Partida contra o Rosário Central, na quinta, no Allianz Parque, válida pela Libertadores é fundamental para a permanência do treinador, se ele sobreviver até lá.

3º - Estiramento no joelho deixa Mancuello fora por mais ou menos trinta dias. Logo quando o argentino estava começando a se encaixar e mostrar seu futebol, essa lesão aparece. Péssima notícia para Muricy, que vai precisar pensar em outro nome para a função. Allan Patrick está recuperando a forma física, e Ederson ainda está em fase de recuperação da lesão que sofreu ainda na temporada passada. Difícil pensar em um substituto à altura para o camisa 23.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.  

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

-
Matheus Brum Matheus Brum 29/02/2016

A passividade do torcedor

matheusAi ai, torcedor é um "bicho" muito engraçado mesmo. Vira e mexe me surpreendo como nós (me incluo na conta) somos capazes de ir do "inferno" ao "céu" ou vice e versa em um curto espaço de tempo.
Futebol envolve uma paixão muito grande, um sentimento que não conseguimos explicar, apenas sentir. Justamente por causa disso, temos comportamento que vão além da razão e que só podem ser explicadas com o coração.

Seu time está com três derrotas no campeonato, você está com raiva, aí, todas as críticas feitas são contundentes, afinal de contas, as coisas não estão bem. Pois bem, na próxima partida, uma vitória. As críticas continuam. Mas como assim? Criticar após uma vitória? Não, não! Isso não está certo.

Provavelmente as críticas estão sendo feitas por uma pessoa que torce por um clube rival, ou que está "querendo aparecer". Onde já se viu alguém que nem torce pro meu time falar mal dele?
O time vai e ganha mais três jogos. Nossa Senhora, aí o torcedor entra em êxtase! E ai de quem falar mal. O clube pode estar um caos administrativamente falando, problemas financeiros, jogador entrando na justiça, salários atrasados e tudo mais, mas nada disso importa, o que vale mesmo são os três pontos. Ah, e não podemos esquecer do técnico que é melhor que o Guardiola e daquele centroavante que merecia uma chance na seleção.

Depois disso, o time perde os próximos três jogos. Meu Deus, aí a crise chega no CT. Torcedor vaia depois da partida. Jogadores são ameaçados; aquele centroavante que era seleção não passa de um “pereba” e “perna de pau”, que não joga nem no pior time do mundo, e são organizados vários protestos contra a má fase do time. Além disso, a cabeça do treinador, diretor executivo, vice-presidente de futebol, gerente de futebol, presidente, e todo mundo da diretoria são pedidos.

Ah, e lembra daquele jornalista que quando o time começou perdendo, criticou o time e você concordou? E que quando conquistou as vitórias, pontuou que o time estava bem em campo e mal fora dele, e você “caiu matando”? Agora que a equipe está mal, ele continuou explanando sobre os problemas e, de novo, voltou a concordar e fazer coro, compartilhando suas ideias e tudo mais.

Brincadeiras à parte, a paixão é tão grande que foge do controle da razão. Se alguém conseguir entender um torcedor, parabéns! Merece um prêmio Nobel. A única situação que acho lamentável é quando essas críticas, seja para os jogadores, treinadores, juízes, diretores e jornalistas partem para o pessoal, ou são feitas de formas desrespeitosas. Afinal de contas, é importante respeitar sempre a opinião e o trabalho alheio. Enfim, futebol e torcedores, obrigado por existirem. Me divirto muito com vocês.

Outros destaques

1° - Tupi vence segunda seguida no Mineiro. A partida contra o Tombense foi muito parecida com a partida contra o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora. Naquele jogo, o Galo teve mais chances e posse de bola, porém, não conseguiu colocar a bola no fundo do barbante, e acabou sofrendo com gol de bola parada. Nesse final de semana, a situação inverteu. A equipe de Tombos teve mais presença ofensiva, mas graças a grande atuação do goleiro Glaysson, aliado com um bom aproveitamento das chances criadas, o time conseguiu a primeira vitória fora de casa. Ainda falta muita coisa a melhorar dentro de campo, como o próprio Ricardo Drubscky disse na coletiva pós-jogo. Vale a pena atentar ao fato de que o futebol não é importante só apenas dentro de campo.

2° - Semana tensa para o Palmeiras. Com um início muito instável no Paulistão, técnico Marcelo Oliveira está na corda bamba. Partida contra o Rosário Central, na quinta, no Allianz Parque, válida pela Libertadores é fundamental para a permanência do treinador, se ele sobreviver até lá.

3º - Estiramento no joelho deixa Mancuello fora por mais ou menos trinta dias. Logo quando o argentino estava começando a se encaixar e mostrar seu futebol, essa lesão aparece. Péssima notícia para Muricy, que vai precisar pensar em outro nome para a função. Allan Patrick está recuperando a forma física, e Ederson ainda está em fase de recuperação da lesão que sofreu ainda na temporada passada. Difícil pensar em um substituto à altura para o camisa 23.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.  

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Matheus Brum Matheus Brum 29/02/2016

A passividade do torcedor

matheusAi ai, torcedor é um "bicho" muito engraçado mesmo. Vira e mexe me surpreendo como nós (me incluo na conta) somos capazes de ir do "inferno" ao "céu" ou vice e versa em um curto espaço de tempo.
Futebol envolve uma paixão muito grande, um sentimento que não conseguimos explicar, apenas sentir. Justamente por causa disso, temos comportamento que vão além da razão e que só podem ser explicadas com o coração.

Seu time está com três derrotas no campeonato, você está com raiva, aí, todas as críticas feitas são contundentes, afinal de contas, as coisas não estão bem. Pois bem, na próxima partida, uma vitória. As críticas continuam. Mas como assim? Criticar após uma vitória? Não, não! Isso não está certo.

Provavelmente as críticas estão sendo feitas por uma pessoa que torce por um clube rival, ou que está "querendo aparecer". Onde já se viu alguém que nem torce pro meu time falar mal dele?
O time vai e ganha mais três jogos. Nossa Senhora, aí o torcedor entra em êxtase! E ai de quem falar mal. O clube pode estar um caos administrativamente falando, problemas financeiros, jogador entrando na justiça, salários atrasados e tudo mais, mas nada disso importa, o que vale mesmo são os três pontos. Ah, e não podemos esquecer do técnico que é melhor que o Guardiola e daquele centroavante que merecia uma chance na seleção.

Depois disso, o time perde os próximos três jogos. Meu Deus, aí a crise chega no CT. Torcedor vaia depois da partida. Jogadores são ameaçados; aquele centroavante que era seleção não passa de um “pereba” e “perna de pau”, que não joga nem no pior time do mundo, e são organizados vários protestos contra a má fase do time. Além disso, a cabeça do treinador, diretor executivo, vice-presidente de futebol, gerente de futebol, presidente, e todo mundo da diretoria são pedidos.

Ah, e lembra daquele jornalista que quando o time começou perdendo, criticou o time e você concordou? E que quando conquistou as vitórias, pontuou que o time estava bem em campo e mal fora dele, e você “caiu matando”? Agora que a equipe está mal, ele continuou explanando sobre os problemas e, de novo, voltou a concordar e fazer coro, compartilhando suas ideias e tudo mais.

Brincadeiras à parte, a paixão é tão grande que foge do controle da razão. Se alguém conseguir entender um torcedor, parabéns! Merece um prêmio Nobel. A única situação que acho lamentável é quando essas críticas, seja para os jogadores, treinadores, juízes, diretores e jornalistas partem para o pessoal, ou são feitas de formas desrespeitosas. Afinal de contas, é importante respeitar sempre a opinião e o trabalho alheio. Enfim, futebol e torcedores, obrigado por existirem. Me divirto muito com vocês.

Outros destaques

1° - Tupi vence segunda seguida no Mineiro. A partida contra o Tombense foi muito parecida com a partida contra o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora. Naquele jogo, o Galo teve mais chances e posse de bola, porém, não conseguiu colocar a bola no fundo do barbante, e acabou sofrendo com gol de bola parada. Nesse final de semana, a situação inverteu. A equipe de Tombos teve mais presença ofensiva, mas graças a grande atuação do goleiro Glaysson, aliado com um bom aproveitamento das chances criadas, o time conseguiu a primeira vitória fora de casa. Ainda falta muita coisa a melhorar dentro de campo, como o próprio Ricardo Drubscky disse na coletiva pós-jogo. Vale a pena atentar ao fato de que o futebol não é importante só apenas dentro de campo.

2° - Semana tensa para o Palmeiras. Com um início muito instável no Paulistão, técnico Marcelo Oliveira está na corda bamba. Partida contra o Rosário Central, na quinta, no Allianz Parque, válida pela Libertadores é fundamental para a permanência do treinador, se ele sobreviver até lá.

3º - Estiramento no joelho deixa Mancuello fora por mais ou menos trinta dias. Logo quando o argentino estava começando a se encaixar e mostrar seu futebol, essa lesão aparece. Péssima notícia para Muricy, que vai precisar pensar em outro nome para a função. Allan Patrick está recuperando a forma física, e Ederson ainda está em fase de recuperação da lesão que sofreu ainda na temporada passada. Difícil pensar em um substituto à altura para o camisa 23.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.  

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com