Cães abandonados
Veja que cuidados tomar com os cães abandonados e o que
observar na hora de adotar um deles

Priscila Magalhães
Repórter
27/02/2008

Para algumas pessoas, ter um cachorro em casa é sinônimo de bagunça e sujeira. Para outras, o animal traz alegria, é companheiro e proporciona segurança.

Foi como aconteceu na república de Lucas Campos, onde a cadela Lady, da raça labrador, está há três semanas. "Queríamos um cachorro e estamos satisfeitos, porque ela brinca com a gente, pula e alegra o ambiente".

Mas Lady não é uma cadela qualquer. Ela já tem uma ano de idade e Lucas foi até o Canil Municipal adotá-la. "Fomos ao canil, porque lá tem muitos animais abandonados e que estão sofrendo. Não era possível não encontrar, lá, um animal que gostássemos", explica o estudante.

Quando ele e os amigos chegaram no Canil, foram ver todos os cães e quando passaram perto de Lady, ela começou a pular e brincar. "Gostamos dela por causa disso e resolvemos ficar com ela mesmo".

A veterinária do Canil Municipal, Liza Helena Ramos Nery, diz que antes de adotar um animal, é necessário observar tamanho e raça. "Deve-se saber que o animal vai estar com você por cerca de 15 anos e que você é o responsável por ele. Não adianta adotar e depois querer abandonar porque cresceu demais e está destruindo a casa", explica ela. Antes da adoção, o candidato passa por uma entrevista e assina um termo de responsabilidade.

Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora

Além disso, os animais precisam de cuidados durante a vida, como vacinas, vermifugação, cuidados de higiene, além de passeio e carinho. Liza diz que é bom evitar que o animal fique sozinho em casa, principalmente quando é tem poucos meses e está em período de receber a educação básica. Sozinho, ele pode fazer bagunça, já que não sabe o que é certo e errado.

"Uma boa educação é feita através da repetição. Quando o cãozinho fizer algo errado, mostre que aquilo não pode ser feito. Por exemplo, se ele pegar um objeto que não pode, tire dele e dê um que pode, como um brinquedo. Assim, ele vai aprendendo". Para isso, é necessário muita paciência e carinho.

É assim que Lucas e seus amigos fazem com Lady. "Quando ela faz xixi em lugar que não deve, esfregamos o fucinho dela no lugar e dissemos que não pode fazer. Se ela quer entrar dentro de casa, dissemos que não pode e ela sai. Aos poucos Lady está aprendendo", explica ele.

Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora

A primeira providência que Lucas tomou foi levar a cadela ao veterinário para tomar as vacinas. Com relação aos outros cuidados, ele diz que ela toma banho a cada 15 dias, se alimenta duas vezes ao dia e ganhou coleira e brinquedos, tudo como o veterinário sugeriu.

Liza diz que quando animais abandonados são encontrados na rua, deve-se ter cuidados, como não se aproximar e não chamá-los. "Como são animais de rua, não sabemos se estão vacinados. Se ele não se mostrar agressivo, ligue para o 156, que o Canil vai recolher. Mas se for um animal de porte maior ou agressivo, deve-se ligar para o corpo de bombeiros, pelo 193".

Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora Foto do cães abandonados no Canil Municipal de Juiz de Fora

Segundo Liza, o Canil recolhe cerca de 20 cães por semana. Porém, o número de adoções não chega a tanto. A média é de três por dia. "Mas o número tem aumentado. As pessoas estão se conscientizando de que estes cães precisam de um dono e elas podem oferecer a eles o mesmo carinho que dariam a outro que teriam comprado", completa.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.