• Assinantes
  • Autenticação
  • Negócios

    Cuidados na antecipação do Imposto de Renda Economista explica que a antecipação de recebíveis só deve ser feita se as taxas de juros forem menores do que outros serviços de financiamento


    Guilherme Arêas
    Repórter
    10/3/2009

    Até as 24h do dia 30 de abril, cerca de 25 milhões de contribuintes em todo o país devem declarar o Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2009, ano-base 2008. Para quem vai pagar o imposto, é hora de fazer os cálculos para saber o impacto no bolso. Já para os contribuintes que vão receber a restituição, os bancos oferecem linhas de crédito especiais para a antecipação de recebíveis, como o próprio IRPF e o 13º salário.

    Mas antes de partir para a tentação dos empréstimos bancários, a dica é avaliar as condições que cada instituição oferece pelo serviço. Para o economista Lourival Batista de Oliveira Júnior, a situação ideal é evitar o endividamento e esperar o recebimento da restituição no momento em que o governo liberar os lotes.

    "Se a pessoa receber o imposto, ela deve se antecipar na entrega da declaração para ter mais chances de receber primeiro. É uma tática razoável, se ela fizer direito a declaração. Caso contrário, ela corre o risco de cair na malha fina", orienta.

    As restituições do IRPF são liberadas em sete lotes, pagos entre julho e dezembro. Para evitar a malha fina do Leão, a declaração deve ser enviada sem erros ou omissões. Mas se o contribuinte não quiser esperar a restituição, a antecipação nos bancos requer cuidados especiais.

    O primeiro deles, segundo o economista, é se informar sobre as taxas de juros cobradas e compará-las com as tarifas de outros tipos de financiamento. A antecipação é vantajosa quando as taxas de juros da transação forem menores do que as cobradas em outros tipos de empréstimo. "A regra é sempre não se endividar. Caso aconteça, procure as menores taxas de juros e tente se endividar dentro da lógica de que você vai poder pagar."

    Em boa parte dos bancos, o serviço de antecipação de recebíveis cobra taxas menores, já que o pagamento da dívida com a instituição é garantida. Mas o contribuinte deve ficar atento, pois alguns bancos oferecem crédito consignado com taxas de juros ainda menores.

    "Os bancos cobram taxas de juros diferenciadas para os vários tipos de empréstimos de dívida. Se alguém está pendurado no cartão de crédito, por exemplo, está sujeito a pagar as mais altas taxas de juros. Neste caso, compensa a consolidação da dívida com a antecipação da restituição", comenta o economista.

    Outra dica importante é destinar parte do dinheiro extra recebido para o pagamento de dívidas. De acordo com Lourival, deve-se dar prioridade para as dívidas com taxas de juros maiores.

    Além disso, é fundamental verificar se o banco está cobrando alguma taxa da abertura de crédito. As taxas são importantes no balanço final para o empréstimo, uma vez que influenciam no valor total do financiamento. "Em uma hipótese exagerada, se você tomar R$ 100 de empréstimo a uma taxa de abertura de crédito de R$ 40, ela pesa muito mais do que se o empréstimo for de R$ 1.000, por exemplo", explica.

    Em uma pesquisa pelos endereços eletrônicos das principais instituições financeiras do país, o Portal ACESSA.com buscou reunir as condições que cada banco oferece para a antecipação do IRPF. Confira:

    Antecipação da restituição do IRPF*
    Bancos Prazo para pagamento Taxas de juros Limite de crédito Outras taxas
    Banco do Brasil No dia da parcela única na data da restituição - 2,25% a.m. para créditos de R$ 5.000,01 a R$ 20.000 com garantia
    - 2,65% a.m. para créditos de até R$ 5.000 sem garantia
    Até 80% da restituição IOF máximo de 1,5% a.a., mais alíquota adicional de 0,38%, limitado a 12 meses
    Banco Real No dia da parcela única na data da restituição 3,95% a.m. - 100% da restituição se a operação for realizada em um canal eletrônico, limitada a R$ 8.000
    - 70% da restituição se a operação for realizada na agência, limitada a R$ 15.000
    -
    Bradesco No dia da parcela única na data da restituição ou até dezembro de 2009 - Entre 2,25% a.m até 2,95% a.m para quem recebe o salário pelo Bradesco
    - 2,95% a.m. para quem não recebe o salário pelo Bradesco
    Limitado a R$ 20.000:
    - Até 100% para quem recebe o salário pelo Bradesco
    - De 65% a 80% para quem não recebe o salário pelo Bradesco
    IOF financiado e acrescido no valor da parcela. Valor não informado
    Caixa No dia da parcela única na data da restituição - 2,19% a.m. para quem solicitou o empréstimo em 2008
    - 2,59% a.m para quem for contratar a linha pela primeira vez
    Até 75% da restituição, limitado a um mínimo de R$ 300 e máximo de R$ 10.000 IOF cobrado no ato da contratação. Valor não informado
    Itaú No dia da parcela única na data da restituição ou na data limite estabelecida em contrato - - -

    *Condições informadas em março de 2009 e sujeitas a alteração

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.