Mercado de flores aquecido o ano todo Engana-se quem pensa que a primavera é
a única estação das grandes vendas


Priscila Magalhães
Repórter
30/08/2007

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, primavera não é mais sinônimo de flores para o mercado. Segundo a proprietária de uma floricultura, em Juiz de Fora, Eleoni Kopke, (foto abaixo) não existe época para as plantas florescerem. "Não temos mais sazonalidade. As plantas são criadas em estufa, o que permite simular o ambiente natural delas", explica.

O irmão de Eleoni e também proprietário de floricultura, Ebson Kopke (foto abaixo), conta que as maiores vendas ocorrem em datas comemorativas. "Há alguns anos, os casamentos só aconteciam em maio. Hoje, durante todo o ano temos eventos e datas comemorativas (leia matéria). As flores se tornaram uma ótima opção de decoração e presentes. Vendemos muito em dias comemorativos de santos e padroeiros, no dia da secretária, do radialista e por aí vai".

As flores também são responsáveis por movimentar o mercado na cidade. Atualmente, existem cerca de 60 floriculturas e, segundo Ebson, a concorrência é grande e este ano as vendas cresceram cerca de 8% e 10% em relação ao ano passado.

Segundo ele, as melhores épocas para o mercado são o segundo e o quarto trimestres. "No segundo trimestre, pegamos o dia dos namorados e o dia das mães. Já no quarto, temos muitos casamentos e as festas de final de ano", explica.

Foto da Eleoni Foto do ebson

Para Ebson, a única estação do ano que pode atrapalhar o desenvolvimento das flores é o inverno. Nessa época, há uma redução da produção e um aumento dos preços. "Mas não pense que isso é motivo para atrapalhar o negócio. As pessoas acabam escolhendo em função do preço e levam uma mais barata, mais não deixam de comprar".

Para driblar a concorrência

Ebson diz que escolheu o mercado de flores para investir, porque é um mercado que possibilita boas idéias, mas que ao mesmo tempo é carente delas. "Já consegui desenvolver muitas idéias boas e ainda tenho muitos projetos".

Um dos diferenciais é a loja virtual que está na internet há um ano e cinco meses. Segundo o proprietário, vende cerca de 38 flores por mês. Ele notou também um crescimento das vendas no espaço físico da loja por causa da internet. "O mais interessante é que esta loja é feita para os clientes que não são daqui. A rotatividade na cidade muito grande por causa das faculdades, onde as pessoas fazem muitas amizades. Quando vão embora, querem presentear as pessoas que ainda estão aqui e acabam procurando a nossa loja virtual".

Quando o entregador vai à casa da pessoa levar o presente, ele leva junto uma câmera fotográfica. "Esse momento é especial, porque fazemos o registro do momento mágico da entrega. Quem fez a encomenda recebe a foto e, além de se certificar de que a entrega foi feita, pode ver a reação da pessoa", explica o proprietário, que já tem a idéia de gravar vídeos desse momento.

Foto da flor rosa Foto da flor vermelha Foto da flor lilás

Outra aposta para vencer a concorrência é a assinatura de flores. A pessoa escolhe o que quer mandar, para qual endereço e quando. "Fazemos a entrega de acordo com a necessidade do cliente". O envio de flores também é uma alternativa. Algumas empresas contratam o serviço da floricultura para ela enviar flores, como presente, aos clientes.

"No envio de flores, a empresa nos passa a agenda de aniversário de seus clientes. Nós escolhemos uma flor que tenha mais a cara da empresa, como a cor, por exemplo, e enviamos para os clientes. É ótimo ser lembrado, principalmente por quem não esperamos", explica Ebson.

Ebson e a irmã apostaram também em uma Escola de Design Floral. Eles ministram as aulas e a proposta é uma parceria com outra empresa da cidade pra profissionalizar ainda mais o curso. "Cerca de 80% de quem nos procura quer aprender a cuidar de plantas e fazer o arranjo por hobby. É muito importante atender esse mercado", explica.

Para fortalecer o mercado na cidade

Segundo Ebson, o que falta para fortalecer o mercado de flores em Juiz de Fora é a união. "Seria ótimo se pudéssemos criar uma cooperativa de floriculturas aqui. Isso iria possibilitar comprar mais, diminuir o preço, aumentar o lucro e ter lojas mais confortáveis".

Ele diz não ter medo da concorrência. "Ela é muito boa, pois aquece o mercado. O cliente funciona por comparação e é ele quem decide. As boas empresas ficam no mercado", explica.

Foto da flor Foto da flor

De acordo com ele, as mulheres heterossexuais são as responsáveis por cerca de 60% de todas as compras. enquanto que os homossexuais ficam com 15% e restante é para homens heteressexuais. As ocasiões que atraem mais vendas são as formaturas e os casamentos, enquanto que as datas comemorativas que mais contribuem para aquecer o mercado é o dia das mães e dos namorados.


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.