Preços de brinquedos podem subir Apesar da possibilidade de aumento, lojistas apostam crescimento de 20% nas vendas deste ano, em Juiz de Fora


Fabricio Werneck
*Colaboração
17/09/2007

Um medida tomada pelo Instituto de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) preocupa os comerciantes e consumidores a um mês do Dia das Crianças. Problemas encontrados em alguns brinquedos nos EUA, fizeram com que o rigor sobre a fiscalização destes produtos vindos exterior aumentasse.

A medida representa um aumento de 300% nos custos de certificação dos lotes e de, pelo menos, 20% no valor repassado ao consumidor. A portaria, que foi publicada no dia 27 de agosto, exige que o produto importado seja verificado lote a lote. Anteriormente, o regulamento permitia a conferência a cada quatro meses.

A dona de casa Ana Alice Carneiro (foto abaixo, à esquerda), que tinha acabado de comprar um boneca para a filha Caroline, de 6 anos, afirma ainda não ter sentido a inflação. "Pesquisei em várias lojas. Tem um mês que lançaram a boneca e de lá para cá não houve aumento", afirma.

Algumas lojas, por ainda possuírem estoque, não repassaram o aumento aos consumidores, o que deve ocorrer com as novidades que forem chegando.

Ana Alice e Caroline Cláudio

Os produtos nacionais têm sido uma saída para este setor do mercado. "Muitas lojas estão recorrendo ao que é produzido no país, deixando os games de lado", exemplifica o lojista Walmir Coutinho.

bonecas Muitas pessoas ainda desconhecem a nova medida, mas apesar do aumento, acreditam na importância da decisão. "Estou por fora dos preços e só em datas como o Dia das Crianças eu corro atrás de preço. Mas será melhor para as crianças, por isso a medida é adequada", afirma a professora Célia Oliveira. "Muitos pais não prestam atenção no que os filhos estão brincando", lembra Ana Alice.

"Acredito ser certa a medida, visando a saúde e a segurança da criança", diz o agente de saúde Cláudio Marchiori (foto acima). Para ele, a medida ainda vai esfriar as vendas do setor no dia 12 de outubro. "Brinquedos bons já são sempre caros. O brinquedo que meu filho gosta só posso dar um vez por ano".

Segundo o presidente do Sindicomércio de Juiz de Fora, Emerson Beloti, a indústria nacional está aprimorando seus produtos para tornarem-se, cada vez mais, competitivos no Brasil. "Há um tempo atrás, os produtos nacionais eram 25% mais caros que os importados. Hoje em dia, esta diferença praticamente não existe". Para Beloti, o problema com um fabricante de brinquedos importados foi um fato isolado e que isso não deve prejudicar as vendas (veja o vídeo).

Aumento nas vendas

carrinho Apesar da fiscalização sobre brinquedos importados, há uma previsão de que as vendas de brinquedos no Dia das Crianças seja superior a 20%, segundo o resultado de uma pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Juiz de Fora (CDL/JF). Segundo a CDL/JF, a data comemorativa representa cerca de 5% do que fatura anualmente o varejo brasileiro. Comparando as vendas com 2006, a expectativa é de Juiz de Fora consiga aproximadamente 8% de acréscimo nas vendas.

Já às vésperas do Dia das Crianças, a expectativa é que aconteça um aumento de 11% no movimento do comércio de Juiz de Fora. Para atender os compradores de última hora, o comércio da cidade vai estender o horário de funcionamento no sábado que antecede o Dia das Crianças, dia 06 de outubro, até às 18h.

*Fabricio Werneck é estudante de Jornalismo na UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.