• Assinantes
  • Autenticação
  • Negócios
    Terça-feira, 19 de julho de 2011, atualizada às 18h

    Cai número de postos de emprego abertos no primeiro semestre de 2011 em comparação com o ano passado

    Aline Furtado
    Repórter
    Foto de carteiras de trabalho

    Juiz de Fora registrou queda do número de postos de emprego abertos no primeiro semestre de 2011 em comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados pelo Estudo de Evolução do Emprego, realizado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), nesta terça-feira, 19 de julho.

    Em 2010, foram 30.986 admissões contra 28.800 demissões, o que resulta em um saldo de 2.186 postos. Já este ano, foram registradas 34.592 admissões e 33.395 demissões, resultando em um saldo de 1.197 postos.

    Os dois setores que registraram maior queda no número de vagas criadas são a indústria de transformação e a construção civil. A indústria de transformação, que em 2010 apresentou saldo de 695 novos postos, em 2011, criou 239 vagas. "Essa mudança é resultado da retração de investimento e de poupança, que são pontos que contribuem para o desenvolvimento do país", aponta o consultor econômico do Centro Industrial de Juiz de Fora, Antônio Flávio Luca do Nascimento. Ainda segundo ele, a queda pode ser resultado da crise no mercado econômico mundial, que reduz a exportação.

    Já a construção civil fechou o primeiro semestre com saldo negativo de 37 vagas. No ano passado, o setor contabilizou, ao longo dos seis primeiros meses do ano, a abertura de 635 postos. Para o presidente do Sindicato da Indústria e Construção Civil de Juiz de Fora (Sinduscon), Leomar Delgado, a queda no número de vagas ocupadas pode ser explicada por três fatores. "O mais óbvio seria a escassez de mão-de-obra."

    Além disso, segundo ele,quando demitidos, os empregados optam por não retornarem ao mercado de forma imediata. "Se demitido, ele prefere usufruir do benefício do seguro-desemprego, abrindo mão do novo emprego com carteira assinada." Por fim, Delgado aponta a estabilidade do setor. "Primeiro tivemos a aceleração, já que saímos de um patamar baixo. Então, é natural é haja manutenção dos postos, ou seja, a estabilidade do quadro."

    Os textos são revisados por Thaísa Hosken

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.