• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura
    Roger Resende
    Cantor, compositor e violonista fala de sua
    história de amor com a música

    Colaboração:
    *Renata Silva
    08/10/04

    Clique no ícone ao lado e ouça as músicas "Filosofando" e "Orgia", do compositor Ernani Ciuffo, na voz de Roger Resende e Nanda Cavalcante

    Ouça!

    Roger Resende Uma história de amor com a música. Assim se define a trajetória do cantor, violonista e compositor, Roger Resende, quando o assunto é sua carreira artística. Aos 34 anos, o músico que sonhava em ser jogador de futebol tem na bagagem apresentações em casas do Rio de Janeiro, dois CDs e o 1º lugar no Festival de Intérpretes.

    Natural de São João Nepomuceno, Roger aprendeu suas primeiras notas musicais aos sete anos, com o avô, Sebastião Itaborahy. O cavaquinho foi seu grande companheiro de infância que passou a figurar mais tarde, nas escolas de samba da cidade.

    Obra do acaso, ou não, seu primeiro envolvimento com a música se deu através do samba. No período da adolescência, ele até inovou com outros estilos e passou por bandas de rock, mas ao conhecer Tom, Vinícius, Chico Buarque e Caetano Veloso viu que a sua praia era mesmo a MPB.

    O lado músico impediu algumas vezes o lado atleta de se expressar. "Meu sonho era ser um grande jogador, mas com a vida boêmia não conseguia acordar para os treinos", recorda.

    Aos 17 anos, Roger decidiu aprofundar-se na música e fez adormercer seu lado esportista. Desde então, ele acredita que o samba lhe deu grandes presentes. "Quando está no coração, não é preciso fazer muito esforço, as coisas fluem", diz.

    Nasce o artista
    Durante nove anos, o artista viveu no Rio de Janeiro e por lá garante que adquiriu sua maturidade profissional. "Fui para acompanhar meu primo, Ricardo Itaborahy, em uma de suas apresentações, até que chegamos a tocar no "Vinícius", lugar considerado o templo da bossa nova", recorda.

    Os bons ares o levaram ao encontro de Tereza Bessil, sua professora de canto, que mais tarde veio se tornar sua parceira musical. "O marco da minha carreira foi conhecer a Tereza. Foi aí que entendi o que era música, o que era arte e passei a me considerar parte dela". Em 1997, a dupla registrou seu trabalho com a gravação de um CD AO VIVO, dedicado a MPB.

    Minas, voltei
    "Voltei à Juiz de Fora, em 1999, para reencontrar as coisas que sempre gostei de fazer". O retorno garantiu ao cantor boas surpresas.

    Após um show em sua cidade natal ao lado de Dudu Lima e Fofim, Resende gravou seu primeiro disco autoral. Logo depois, foi convidado pelo músico Márcio Gomes a ingressar no projeto Ernani Ciuffo, que rendeu o CD Roger Resende Canta Ernani Ciuffo - O Filósofo do Samba, patrocinado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura - Lei Murilo Mendes.

    Samba & Cia
    No ano de 2003, Roger teve a idéia de introduzir o samba no cenário juizforano. Ao lado de Nanda Cavalcante, Márcio Gomes, Casé, Fernando e Toinho aconteceu sua primeira apresentação no projeto Nossa Música, da FUNALFA.

    "Resolvemos mostrar esse trabalho nas casas da cidade e chegamos ao Muzik. Não imaginávamos que o público ia ser tão receptivo". Todo esse trabalho feito com o coração originou uma febre de rodas de samba pela cidade. "Hoje temos de quatro a cinco grupos que tocam em JF, o que é muito bom".

    O grupo marca essa onda de sucesso com o lançamento do disco Samba & Cia, previsto para o final de 2004. "Estamos comemorando 1 ano de grupo e queremos presentear o público com as músicas mais pedidas durante os shows, como Sem compromisso, de Geraldo Pereira e Fita Amarela, de Noel Rosa.

    O futuro a Deus pertence
    Para os próximos capítulos, Roger prepara o CD pop, junto com Nanda Cavalcante, Weber Martins e Falcão. "Nessa hora, meu lado sambista contribuí para o lado pop e vice-versa", diz.

    O grupo Samba & Cia também continua tocando às quartas no Muzik e a intenção é levar os dois shows, de pop e samba, para as casas do Rio de Janeiro.

    Quando pergunto: valeu a pena trocar o futebol pelo samba? Ele declara: "Se não existisse samba, eu não seria músico. Ainda bem que não deu certo com o futebol". Os fãs agradecem.

    *Renata Silva é estudante do 7º período da Faculdade de Comunicação da UFJF

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.