• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde
    Segunda-feira, 22 de junho de 2009, atualizada às 19h

    Descumprimento de mandados de segurança para aquisição de remédios é discutido na Câmara

    Guilherme Arêas
    Repórter

    Sob fortes críticas de pacientes que não conseguem medicamentos mesmo com mandado de segurança expedido pela Justiça, a política de distribuição de remédios do município foi discutida em audiência pública na Câmara Municipal nesta segunda-feira, dia 22 de junho. Dezenas de usuários que dependem do serviço para tratamento de diversas doenças acusaram a Prefeitura de Juiz de Fora de descumprir os mandados.

    Segundo os usuários, a distribuição dos remédios aos pacientes que dependem do poder público está mais deficitária desde o início do ano. "Nem mesmo os remédios de uso contínuo e de tarja preta que eu uso estão disponíveis", denuncia uma das usuárias.

    De acordo com o defensor público-geral do Estado, Belmar Azze Ramos (foto abaixo, à esquerda), todos os meses, a Defensoria Pública atende cerca de 400 pacientes que buscam o cumprimento de ordens judiciais, além de garantir o acesso a diversos procedimentos médicos. A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) informou que aproximadamente duas mil pessoas atualmente dependem do mandado de segurança para conseguirem os medicamentos. Até maio deste ano, em torno de R$ 800 mil foram gastos com a compra de remédios via mandado de segurança. Em 2008, foram R$ 4,2 milhões gastos nessas situações.

    A ouvidora municipal de saúde, Samantha Maria Borchear (foto acima, na tribuna), ratificou a posição dos pacientes e defendeu o cumprimento do direito universal de acesso à saúde. "O mandado de segurança é o reflexo do fracasso da saúde pública em Juiz de Fora", disse em um discurso inflamado.

    O defensor público do município, Paulo Henrique Novelino (foto acima, à direita), considerou a situação como "grande ofensa à dignidade humana" e propôs a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para que a situação seja regularizada até o final de julho, conforme prometido anteriormente pela secretária de Saúde, Eunice Dantas (foto acima, ao centro). "Após esse prazo tomaremos todas as medidas possíveis para garantir a efetivação das decisões judiciais", assegurou Belmar. Caso não cumpra os mandados de segurança, o gestor público da área da saúde pode ser punido com multas ou até a prisão.

    Por sua vez, a secretária não se comprometeu com a assinatura do documento. Ela defendeu os esforços da PJF em regularizar a distribuição dos medicamentos, mas alegou que o problema atinge grande parte dos municípios brasileiros.

    "O poder público municipal tem que cumprir um lado mais burocrático, o que impede de o paciente receber o remédio na hora em que ele faz o pedido.Muitas vezes, mesmo quando o mandado chega como indeferido, nós nos sensibilizamos e conseguimos o medicamento para o paciente", garantiu.

    Como parte da solução, a secretária anunciou a formação de uma comissão de farmácia, responsável pela elaboração de uma listagem básica dos medicamentos de uso contínuo e que serão comprados conjuntamente.

    Sugerido pelo secretário-executivo do Conselho Municipal de Saúde, Jorge Ramos, a secretária sinalizou positivamente para a transferência do centro de distribuição dos medicamentos, atualmente localizado no alto da rua Halfeld, para um local mais acessível aos pacientes.

    Os textos são revisados por Madalena Fernandes

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.