Segunda-feira, 12 de maio de 2008 atualizada às 11h41

Obras de reparos no aeroporto regional da Zona da Mata devem terminar em julho, mas data de funcionamento continua indefinida



Priscila Magalhães
Repórter

O Aeroporto Regional da Zona da Mata, entre as cidades de Goianá e Rio Novo e a 40 Km de Juiz de Fora, ainda não entrou em operação e já passa por reformas.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), as obras realizadas são para melhoria no hangar, com conserto dos telhados e troca de vidros e instalação de ar condicionado, entre outras. Ainda segundo a assessoria, a pista não está em reforma, pois as questões relacionadas a ela não são impeditivas para o funcionamento do aeroporto.

Segundo a secretaria vão ser gastos cerca de R$ 2,2 milhões nessas obras, que somados aos R$ 77 milhões já gastos, são quase R$ 80 milhões investidos, desde 2001, em um aeroporto sem previsão para entrar em funcionamento. As obras complementares devem terminar em julho e, segundo a assessoria, estão dentro do cronograma, sem indicativo de atraso.

Segundo a Setop, as intervenções surgiram por exigência da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), que será a responsável pelo aeroporto quando as obras terminarem. A assessoria da empresa diz que o aeroporto não está em operação e ainda não foi transferido para sua responsabilidade, o que vai acontecer quando as obras terminarem. A Setop informou que o aeroporto já foi transferido para a Infraero, que mantém um grupo de profissionais responsáveis pela operação, no local.

Funcionamento

A meta é que o Aeroporto Regional seja operado por equipamentos e também funcione à noite atendendo a linhas regulares, segundo a Setop. A previsão é que ele seja um aeroporto de passageiros e cargas. A Infraero confirma essa intenção, dizendo que ele operará a aviação doméstica regular, com possibilidade de vir a ter características de aeroporto cargueiro. Mas, para isso, a empresa coloca que a região deve atrair indústrias para que justifique o transporte de insumos e produtos.

Ainda segundo a infraero, algumas obras complementares e ações da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) estão em andamento para que ele esteja em condições de entrar em operação. A assessoria da agência reguladora diz que já houve a autorização para vôos, porém, ela depende que o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) autorize que ele funcione por instrumentos.

Obras de acesso

Além dos cerca de R$ 80 milhões investidos no aeroporto, o governo do estado ainda vai investir nas rodovias que dão acesso ao aeroporto, com sua recuperação e duplicação. Segundo a assessoria da Setop, o Departamento de Estradas e Rodagem (DER) concluiu o projeto e prepara a licitação. O departamento esbarra em licenças ambientais e desapropriações.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.