• Assinantes
  • Saúde

    Artigo
    Alimentação vegetariana
    parte 1

    26/02/2002

    As origens e as diferentes correntes

    Todos os povos, em todas as épocas, sempre se preocuparam em estabelecer a sua própria segurança alimentar, baseando-se tanto nos recursos naturais disponíveis, quanto nos seus preceitos morais. A busca de alternativas para a alimentação vem desde os primórdios da civilização, quando o homem buscava fontes de alimentos no mundo ao seu redor. A partir do momento em que valores morais são incorporados à vida e ao comportamento humano, a alimentação passa por modificações profundas, com a seleção de determinados alimentos e a busca de novas fontes alimentares.

    Um exemplo muito comum é a relação da dieta vegetariana com algumas importantes religiões antigas e com o pensamento filosófico de algumas épocas. É conhecida a predileção dos grandes filósofos clássicos (Platão, Sócrates, Pitágoras) pela alimentação vegetariana, recomendando-a a seus discípulos. A famosa “dieta de Pitágoras” consistia no uso liberado de vegetais macios e frescos e que necessitariam de pouco ou nenhum cozimento na sua preparação. Em geral, abstinência de todos os alimentos de origem animal, com exceção do leite e do mel; todos os condimentos eram proibidos, sendo substituídos por ervas frescas.

    Em várias épocas, mesmo em períodos em que se abusava do uso das carnes pela abundância de caça em certas regiões, houve uma preocupação por alguns pensadores e religiosos em se fazer um retorno a uma alimentação mais “natural”, ou seja, uma procura por alimentos mais próximos a sua forma natural, sem grandes modificações e sem agressões ao meio em que se vivia. Com o objetivo também de facilitar a busca espiritual, em que seria necessária uma prática de vida mais regrada e simples, muitos optaram por uma alimentação mais vegetariana, com menos requintes e mais próxima a sua forma original (naturalismo), como forma de se atingir um elevado estado espiritual.

    Durante muito tempo, várias correntes de pensamento passaram a se dedicar ao estudo do naturalismo e, como extensão, da alimentação vegetariana. São muitas as personalidades históricas que adotaram essa forma de alimentação, fazendo dela uma prática de vida. Estudos também foram feitos através das épocas, com cientistas e médicos defendendo uma dieta simples, baseada na abstenção de carnes e de bebidas alcoólicas, como forma de promover a saúde.

    É bastante conhecido o esforço do médico e ministro presbiteriano Silvestre Graham (1794 - 1851) em divulgar a alimentação vegetariana nos Estados Unidos, dando ênfase ao uso do pão integral, que até então não era considerado alimento de importância para a saúde. Hoje ele ainda é lembrado através do famoso pão de Graham, nome utilizado para um tipo de pão integral muito comum em alguns países.

    Muitos cientistas, médicos, filósofos, artistas e intelectuais foram influenciados pelas idéias de Graham. Algumas sociedades foram fundadas pelos defensores da alimentação vegetariana, como a Sociedade Vegetariana Alemã, em 1867. Grupos religiosos também promoveram esse tipo de alimentação, como é o caso de Ellen White, fundadora dos Adventistas do Sétimo Dia.

    Durante a Primeira Guerra Mundial, ocorreram algumas experiências de uma alimentação desprovida de carne devido à escassez de alimentos, como foi o caso da Dinamarca. Nesse país, em virtude do bloqueio às importações, o governo solicitou à Sociedade Vegetariana que organizasse um programa de racionamento de alimentos. O resultado foi surpreendente: a população desse país atravessou a guerra com um padrão de saúde superior ao que tinham anteriormente, embora não ingerissem carnes e se alimentassem, principalmente, de cereais e pão integral, mingau de cevada, laticínios e batatas.

    Experiência semelhante ocorreu na Noruega durante a Segunda Guerra. Com a redução no consumo dos produtos de origem animal, a população passou a se alimentar basicamente de cereais, batatas e laticínios. Além de não se ter encontrado nenhum sinal de deficiência proteica nesses indivíduos, observou-se também considerável redução no número de mortes causadas por enfermidades circulatórias.

    Em 1944 surge a Sociedade Vegan, a qual pregava uma alimentação à base de frutas, nozes, grãos e outros vegetais, abolindo qualquer alimento que exigisse sacrifício animal. Essa sociedade tem, ainda hoje, centenas de adeptos em todo o mundo. Vários outros movimentos surgiram nesse século, com base religiosa ou não, que defenderam a alimentação vegetariana como a melhor forma de garantir a saúde e o equilíbrio mental. Este fato tem despertado a atenção de cientistas de todo o mundo, tendo sido grande o número de pesquisas realizadas, desde o final do século passado, sobre a alimentação vegetariana e suas implicações para a saúde.

    Para facilitar a compreensão do assunto, usaremos a classificação tradicional que é dada aos diferentes tipos de dieta:

    1. Dieta vegetariana restrita ou pura ou total: não utiliza nenhum produto de origem animal como alimento. Exemplo: alimentação dos “vegan”.
    2. Dieta lacto-vegetariana: apesar de se abster de carnes, a pessoa que segue essa forma de alimentação faz uso do leite e seus derivados.
    3. Dieta ovo-lacto-vegetariana: semelhante à anterior, com a variação de permitir também o uso de ovos.
    Essa classificação é genérica, não se considerando determinadas especificidades de dietas orientadas por um pensamento filosófico e/ou religioso. Resumimos abaixo algumas dessas tendências, de acordo com a corrente de pensamento a que elas se referem.

    Na segunda parte deste artigo abordaremos as implicações da alimentação vegetariana para a saúde, mostrando os riscos nutricionais possíveis de cada tipo de alimentação e fornecendo algumas orientações que possam reduzir ou evitar as deficiências nutricionais típicas das dietas vegetarianas.

    Também será apresentado um estudo comparativo entre a alimentação comum e a vegetariana, envolvendo vantagens e desvantagens de cada uma.


    Cristina Garcia Lopes
    é nutricionista formada
    pela Universidade Federal de Viçosa.
    Saiba mais clicando aqui.

    Sobre quais temas (da área de nutrição) você quer ler novos artigos nesta seção? A nutricionista Cristina Lopes aguarda suas sugestões no e-mail nutricao@jfservice.com.br

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.