Paulo César Paulo César 20/4/2012

Diário de um jornalista bêbado traz Johnny Depp em ótima forma, mas apresenta trama confusa

Quando Johnny Depp está envolvido em algum filme, seja como produtor, ou como ator, a expectativa no mundo cinematográfico em torno do resultado é sempre a melhor possível. Em Diário de um jornalista bêbado, adaptado da obra de um pioneiro do jornalismo gonzo, e amigo de Depp, Hunter S. Thompson, morto em 2005, o ator mostra toda sua capacidade de incorporar personagens excêntricos e diferenciados, porém o longa deixa a desejar com uma trama confusa e que envolve o público apenas em seus minutos finais.

O filme narra as aventuras de um dos alter egos de Thompson, Paul Kemp (Johnny Depp), no início de sua carreira em Porto Rico, onde se envolve com a linda Chenault (Amber Heard), mulher de um empresário, é coagido a forjar notícias favoráveis a um projeto obscuro, e, claro, se envolve com os mais bizarros tipos de bebuns.

O roteiro de Bruce Robinson, que também dirigiu o filme, não conseguiu transformar a bela matéria-prima que possuía do livro de Thompson em algo sedutor. Por quase noventa minutos privilegia os clichês básicos que compõem o cinema de Hollywood, dando importância ao insosso affair de Paul com Chenault, e a oposição ao seu noivo malvado. Exagera nas cenas escatológicas de seu companheiro Bob Sala (Michael Rispoli), na mais excessiva delas, Depp dirige um carro caindo aos pedaços, sentado no colo de seu cômico amigo. Além disso, a forma como mudou a posição do protagonista em relação aos planos ambiciosos dos empresários foi superficial.

A direção é frágil, sendo que Robinson não soube aproveitar o bom cenário que tinha à disposição. Apesar da boa descrição de tempo e lugar de sua direção de arte, a falta de direcionamento do gênero em que estabeleceria a narrativa provoca grande confusão ao público. Ao mesmo tempo em que se arrasta nas sequências de romance, introduz um ritmo acelerado da comédia pastelão, além de tentar dar um certo ar de suspense quando os jornalistas resolvem enfrentar os corruptos. Tudo isso provoca confusão e falta de coesão entre as pequenas tramas.

Por ter sido amigo do jornalista, Depp se propôs a interpretá-lo neste longa, antes mesmo do material virar livro em 1998. O resultado foi uma excelente atuação, no mesmo nível que em Medo e delírio, no qual interpretou outra personalidade do escritor, porém mais afundado nas drogas pesadas e na loucura. Um bom filme para quem deseja alguns momentos de puro entretenimento, mais muito pouco para honrar a memória de Thompson.

Mais críticas


Paulo César da Silva é estudante de Jornalismo e autodidata em Cinema.
Escreveu e dirigiu um curta-metragem em 2010, Nicotina 2mg.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.