• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura
    Victor Bitarello Victor Bitarello 12/02/2016

    Oscar 2016: "O Regresso" ("The Revenant")

    Admirar Leonardo DiCaprio é muito fácil. Leonardo tem aquela encantadora beleza, necessária aos protagonistas, e um enorme talento, que o mantém entre os grandes. Um dos maiores astros do “mainstream” do cinema hollywoodiano, Leonardo não cedeu aos excessos da musculação, e sempre é muito seletivo nos papeis que aceita fazer.

    Falar de “O Regresso” (“The Revenant”) também é bastante fácil. Digo isto pela facilidade em apontar os defeitos e as qualidades do filme. Tecnicamente falando, é uma perfeição. A direção de Alejandro González Iñárritu é incrível - assim como o foi no ano retrasado, em “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”. A fotografia, o som, a arte são notáveis! Leonardo DiCaprio está bem demais no papel do expedicionário Hugh Glass, no momento de sua vida em que, buscando por riqueza no oeste dos EUA, na primeira metade do século XIX, é atacado por um urso, sendo deixado à beira da morte pelos poucos companheiros que com ele estavam. Aliás, a cena do ataque do urso é algo para entrar na história do cinema como um primor de qualidade. Quanto a Tom Hardy, concorrente a ator coadjuvante, posso dizer que Alejandro tirou leite de pedra dele, que deu muita conta do recado. Hardy pode até ser muito bonito, mas isso não o faz um ator de peso. Enfim. No Oscar deste ano, “O Regresso” recebeu 12 indicações dentre as possíveis. E, enquanto premiação, não tenho como dizer que não são justas.

    A questão é que o filme tem um problema muito grave: ele é chato! Tem duas horas e trinta e cinco minutos de duração. Não necessariamente um filme tão longo será chato. Sei de ótimos exemplos que provam isso. Mas o longa é literalmente isso: longo. Essa sensação NÃO PODE acontecer em quem assiste a um filme. Ele é muito arrastado, as coisas se prolongam demais, e se prolongam, e se prolongam... e começa-se a ficar sem lugar na cadeira do cinema. E tem mais. Não sei como os fatos se deram na história real em que o filme foi baseado, mas a incômoda falta de verossimilhança chegou a fazer a plateia rir em diversos momentos. O personagem de Leonardo parecia um gato e suas sete vidas.

    No que diz respeito às suas chances de receber prêmios, em especial o de melhor filme (porque ele realmente merece, em especial o de melhor direção, ator, fotografia e os de som), é difícil falar, porque entender a Academia não é fácil. Os jurados se mostram, às vezes, conservadores, às vezes não. Então, por exemplo: se eles optarem por um filme técnico, que prezou muito pela perfeição técnica, e valorizarem aquilo que muitos estadunidenses amam, ou seja, a vingança, então sua vitória é certa. Agora, se eles se preocuparem em premiar um filme divertido, agradável, não aborrecido, ele não leva. Dos oito indicados na categoria, já tive a oportunidade de assistir a três. E sem dúvida que, “Mad Max – Estrada da Fúria” e “A Grande Aposta” são melhores, mais interessantes e agradáveis. Tom Hardy, inclusive, tem tido bastante oportunidade de estar “lá”, já que também aparece em “Mad Max”. Tomara que não a perca com estrelismos, e busque aprender, para ficar cada vez melhor.

    Algumas questões podem contribuir muito para o bom desempenho de “O Regresso” na festa. A primeira delas, repito, é a direção, que é maravilhosa! As escolhas de Iñárritu são de uma genialidade impressionante! Alguns jogos de câmera, aliados aos efeitos especiais e a todo o trabalho de som são muito perfeitos. A fotografia é um filme à parte. Um esplendor! Fora que Leonardo consegue levar muito bem seus trabalhos, mesmo quando são chatos, porque ele tem muita força em sua atuação. Um pena que eu não tenha condições de comparar, já que ele é o único dos cinco indicados que já vi nos respectivos filmes.

    Fico por aqui com esta pequena análise desse trabalho de Alejandro González Iñárritu, que, com toda a sua perfeição e beleza de cenas, é um amargo sonífero.


    Victor Bitarello é bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal pela Universidade Candido Mendes (UCAM). Ator amador há 15 anos e estudioso de cinema e teatro. Servidor público do Estado de Minas Gerais, também já tendo atuado como professor de inglês por um período de 8 meses na Associação Cultural Brasil Estados Unidos - ACBEU, em Juiz de Fora. Pós graduando em Direito Processual Civil.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.