Nome do Colunista Paula Faria 18/04/2016

Classificada como trama "diferentona", "Velho Chico" divide opiniões

fotoA atual telenovela das 21h da Rede Globo, "Velho Chico", vem sendo considerada uma trama "diferentona", com todos os sentidos positivos e negativos que esta palavra pode trazer. Ela está longe de ser uma unanimidade, tem causado estranhamento e dividido opiniões, o que é muito natural, já que traz uma proposta inovadora se comparada às tramas globais dos últimos anos.

Por outro lado, ao mesmo tempo em que se diferencia das recentes telenovelas produzidas pela Rede Globo, o enredo de Benedito Ruy Barbosa recorre à tradicional saga de Romeu e Julieta, tão repetida na tela da TV e tão aplaudida ao longo das décadas. Além disso, quem conhece mais a fundo as obras deste novelista, certamente já pode fazer uma lista de semelhanças entre "Velho Chico" e sucessos como "Pantanal", "O Rei do Gado", "Renascer" e "Paraíso".

De "Pantanal", a atual novela das 21h herdou a exaltação das belezas naturais do país e a ideologia nacionalista que visa mostrar um "Brasil que o Brasil não conhece" retratando seus interiores, além do destaque para as lendas interioranas, que agora giram em torno do rio São Francisco, mas que já estiveram presentes em praticamente todas as obras do autor. De "O Rei do Gado", encontramos em "Velho Chico" o viés político, a figura do patriarca autoritário (interpretado nas duas tramas por Antônio Fagundes) e a disputa entre duas famílias: Mezenga e Berdinazzi agora são os de Sá Ribeiro e os dos Anjos. A ambientação na Bahia pode ser considerada uma herança de "Renascer" e o romance proibido do casal protagonista tem suas semelhanças com o amor entre a santa e o filho do diabo, principal conflito de "Paraíso".

Com todas estas semelhanças das obras de Benedito Ruy Barbosa, o autor parece ter uma bela receita de bolo, daquelas de família que só são encontradas nos interiores do país. A ambientação fora do eixo Rio-São Paulo merece sempre ser aplaudida. É uma iniciativa necessária à nossa teledramaturgia e à valorização da nossa cultura. Só por este fato, "Velho Chico" já mereceria ser assistida com mais atenção. Mas Benedito Ruy Barbosa e seus sucessores estão mostrando que não só de paisagens se faz uma história digna do horário nobre.

foto foto

"Velho Chico" está nos privando de um hábito que nos foi imposto pela agitação e pela correria do nosso cotidiano: assistir às telenovelas ao mesmo tempo em que usamos o celular ou o computador. Já faz tempo que a TV não detém 100% de nossa atenção. Ela fica ligada como uma espécie de companhia enquanto nos dedicamos a tantos outros afazeres. No momento de alguma cena marcante ou decisiva é que nossos olhos se desviam de outras telas e retornam à tela da TV. Porém, o telespectador de "Velho Chico", se quiser compreender bem a mensagem da trama, não poderá manter este comportamento: ele terá que ficar com olhos bem atentos, pois são inúmeras as cenas em que os personagens permanecem mudos e é a ação acompanhada da trilha sonora que determina acontecimentos importantes do enredo. Talvez este seja um fator que colabora para os índices insatisfatórios de audiência.

Porém, como já apontado por vários críticos, "Velho Chico" precisa ser considerado um grande momento da teledramaturgia, porque a inovação precisa ser sempre aplaudida e encorajada, ainda que cause estranhamento. Por fim, cabe dar nota dez para a trilha sonora, para a bela atuação de Rodrigo Santoro na primeira fase e para as ações exibidas paralelamente, nas quais duas narrativas se revezam na tela, tornando os desfechos mais empolgantes. E, para não dizer que fiz somente elogios à trama, há que se questionar a falta de coerência com relação à idade de alguns personagens na segunda fase, como Luzia e Padre Romão, além dos figurinos, que apesar de belíssimos parecem inadequados aos diferentes momentos da trama, sobretudo os figurinos dos protagonistas.


Paula Faria é jornalista e mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, além de especialista em TV, Cinema e Mídias Digitais, pela mesma instituição. Também é publicitária pela Faculdade Estácio de Sá e desenvolve pesquisas relacionadas à comunicação, cultura e identidades, mais especificamente sobre ficção seriada televisiva e música popular brasileira.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.