Sexta-feira, 13 de julho de 2012, atualizada às 19h15

Governo federal apresenta proposta de plano de carreira para os professores

Andréa Moreira
Repórter
Assembleia da Apes

O governo federal apresentou nesta sexta-feira, 13 de julho, às entidades sindicais dos professores dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia e das universidades federais, uma proposta de plano de carreira que passaria a vigorar a partir de 2013.

De acordo com a assessoria do Ministério da Educação (MEC), a proposta permite visualizar uma mudança na concepção das universidades e dos institutos federais, à medida em que estimula a titulação, a dedicação exclusiva e a certificação de conhecimentos. O documento trata da busca da qualificação profissional e dos títulos acadêmicos, além de reduzir a carreira de 17 para 13 níveis, como forma de incentivar o avanço dos trabalhadores.

Porém, esta proposta ainda será analisada pelos movimentos grevistas, como explica o presidente Associação dos Professores de Ensino Superior de Juiz de Fora (Apes-JF), Rubens Luiz Rodrigues. "O comando nacional de greve deve analisar esta proposta durante o final de semana, e depois, encaminhar para os movimentos grevistas de todo o país. Para que, então, nós possamos estudar e julgar a proposta", destaca Rodrigues, afirmando também que, apesar desta proposta do governo federal, o movimento continuará com a greve. 

A proposta do governo

  • Todos os docentes federais de nível superior terão reajustes salariais, além dos 4% concedidos, retroativos a março, ao longo dos próximos três anos;
  • O salário inicial dos professores com doutorado e com dedicação exclusiva será de R$ 8,4 mil. Os salários dos professores já ingressados na universidade, com título de doutor e dedicação exclusiva, passarão de R$ 7,3 mil para R$ 10 mil;
  • Ao longo dos próximos três anos, a remuneração do professor titular, com dedicação exclusiva, passará de R$ 11,8 mil para R$ 17,1 mil, conforme tabela;
  • No caso dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia, além da possibilidade de progressão pela titulação, haverá um novo processo de certificação do conhecimento tecnológico e da experiência acumulados ao longo da atividade profissional de cada docente.

Apoio da UFJF

A Pró-Reitoria de Cultura da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) divulgou um comunicado na tarde desta sexta-feira, 13, no qual se solidariza com o movimento grevista. A nota informa que o Museu de Arte Murilo Mendes (MAM) deixará de funcionar temporariamente e, ainda, que estuda o possível fechamento temporário do Cine-Theatro Central.

Os textos são revisados por Mariana Benicá

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.