• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    Aulas em janeiro geram polêmica entre Sinpro e cursinhos pré-vestibulares em JF

    Para o sindicato, o Cave e o Opção estão desrespeitando o acordo coletivo com os professores em salas de aula nas férias

    Nathália Carvalho
    Repórter
    8/1/2013
    Manifestação

    As férias dos profissionais da educação, datadas para o mês de janeiro, estão gerando polêmica entre o Sindicato dos Professores de Juiz de Fora (Sinpro-JF) e dois cursinhos pré-vestibulares da cidade. Durante a manhã e a tarde desta terça-feira, 8 de janeiro, alguns professores e representantes de entidades sindicais se reuniram em frente ao Opção Vestibulares e ao Cave para manifestarem sobre o tema, exigindo que os professores deixassem de dar aula neste período. Para as escolas, a falta de negociação partiu do próprio sindicato.

    De acordo com o coordenador-geral do Sinpro, o vereador Roberto Cupolillo (Betão-PT), somente esses dois cursinhos estariam desrespeitando a cláusula 48 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que dispõe sobre o período de recesso dos profissionais que ministram aulas nos cursos preparatórios para vestibular e terceiros anos do ensino médio. "Todas as escolas de Juiz de Fora estão em recesso e respeitando o acordo. Aquelas que optaram por funcionar, devido à mudança no calendário de algumas universidades, criaram alternativas para oferecer aulas nesse período", diz. Na última segunda, 7, eles também realizaram manifestação em frente ao Pré-Universitário e ao Conexão, que acabaram entrando em um acordo com a classe.

    Na cláusula citada, é acordado que as instituições de ensino que ministrem cursos pré-vestibulares poderão "adequar as datas de gozo das férias para os docentes desse segmento, através de acordo com o Sinpro/JF". Isso poderá ser feito caso necessário, tendo em vista as alterações dos calendários em instituições de ensino superior da cidade e região. "O problema é que não houve acordo e as instituições insistem em fazer com que os profissionais compareçam em sala de aula, como forma de assédio moral", pontua Betão. No último dia 3, a direção do sindicato enviou um ofício reivindicando providências sobre o assunto à subdelegada regional do trabalho em Juiz de Fora, Nila Marlene Silva Magalhães.

    Falta de negociação do Sindicato

    ManifestaçãoContudo, apesar da manifestação, os responsáveis pelas instituições de ensino respaldam-se pela decisão do Ministério do Trabalho, emitida pelo juiz Fernando César da Fonseca, que negou a ação cautelar pedindo a suspensão das aulas, realizada pelo Sinpro em dezembro. "Deixou-se bem claro na decisão de que o direito coletivo, neste caso, dos alunos, prepondera sobre o particular. Sendo assim, estendemos o processo de revisão de matérias para que os alunos pudessem acompanhar o conteúdo em um período mais próximo à realização do vestibular", explica o diretor do Opção, Luiz Antônio Daibert.

    Em função da greve, a data do Pism foi adiada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) para os dias 20, 21 e 22 de janeiro. Além disso, o diretor diz que houve uma tentativa de acordo com o Sinpro, já prevendo essa possível alteração, desde outubro do ano passado. "Eles se negaram a negociar, mesmo com a mediação do Ministério do Trabalho. Os professores não estão sendo obrigados a trabalhar, é algo voluntário, e estamos aguardando a decisão da justiça porque não aceitamos essa imposição sindical", completa.

    A mesma posição é assumida pelo Cave, que externou sua preocupação em atender a necessidade dos alunos até o momento de realização das provas. "Em função do adiamento das datas, entendemos que nossas atividades deveriam ser prorrogadas. Para tanto, consultamos nossos professores e tivemos a adesão da maioria ao projeto", afirma o diretor do Cave, Lawrence Gomes. Ele também destaca que os professores da instituição solicitaram a realização de um acordo coletivo de trabalho com o Cave ao Sinpro, "que se recusou a assumir a direção dos entendimentos". Segundo Gomes, a alternativa encontrada foi acordar diretamente com o próprio Cave, onde os discentes escolheram se teriam férias em dezembro ou em janeiro.

    Ao final desta tarde, o impasse ainda se mantinha e a expectativa do Sinpro de que aulas fossem suspensas não se concretizou. Durante as manifestações, a Polícia Militar (PM) foi acionada pelas instituições, mas nenhum boletim foi registrado. Segundo Betão, será cobrada na justiça a autuação das escolas pelo Ministério do Trabalho, "que ficou de enviar um fiscal para sondar as possíveis irregularidades nos locais ainda esta semana".

    Os textos são revisados por Juliana França

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.