Projeto acad?mico alia teoria e pr?tica Alunos de faculdade de Juiz de Fora desenvolvem sistemas que auxiliam institui?es p?blicas da cidade



*Guilherme Ar?as
Colabora??o
03/07/2007
foto do sistema AMaSy
ACESSIBILIDADE:
Ou?a a mat?ria em ?udio
Em arquivo:

Trazer a teoria do ambiente acad?mico para as necessidades pr?ticas da comunidade em geral ? um dos grandes desafios que as universidades tentam superar a todo momento.

Quando essa combina??o beneficia institui?es p?blicas da cidade, o resultado ? bom para todos os envolvidos. Atualmente, alunos do 7? e 8? per?odos do curso de An?lise de Sistemas, de uma universidade de Juiz de Fora, realizam o Projeto de Assessoria Socialmente Respons?vel em Tecnologia da Informa??o.

Na ?ltima semana, sete projetos foram apresentados durante a Semana de Tecnologia da Informa??o, evento promovido pela faculdade e com o apoio da ACESSA.com.

Para o coordenador do curso e autor do projeto, Wagner Arbex, o objetivo ? colocar em pr?tica as bases que regem o ambiente acad?mico: ensino - pesquisa - extens?o.

"N?s queremos devolver para a sociedade aquilo que o aluno aprende na sala de aula", defende o coordenador. Wagner ainda observa que essas pr?ticas despertam o aluno para a responsabilidade social, requisito cada vez mais importante entre as empresas. "Muitos alunos j? se comprometeram a continuar o trabalho e a resposta das institui?es que n?s atendemos ? muito positiva", conclui Wagner.

Informatizando os atendimentos

Um dos projetos realizados pelos alunos atende ?s demandas do N?cleo Herbert de Souza, da Associa??o Municipal de Apoio Comunit?rio (AMAC). O Attendance Management System (AMaSy) foi desenvolvido para gerenciar os atendimentos aos moradores de rua que procuram a institui??o. O N?cleo atende mais de 200 pessoas por dia e oferece servi?os como pernoite, alimenta??o, alfabetiza??o, cursos e oficinas.

O gerenciamento de beneficiados, funcion?rios, servi?os, endere?os e atendimentos era feito por fichas de papel. "Todo o processo de atendimento foi agilizado. Quando ainda era feito em papel, um funcion?rio demorava cerca de quatro horas para fazer um relat?rio. Hoje, esse procedimento ? feito instantaneamente", afirma Charleston Murilo Faustino, respons?vel pelo AMaSy. Junto com Tiago Curcio Coelho, o estudante realizou uma an?lise preliminar das necessidades do N?cleo Herbert de Souza antes de elaborar o sistema.

Ap?s o t?rmino do trabalho de conclus?o de curso, os estudantes dar?o um treinamento para que os funcion?rios da AMAC que lidam com o AMaSy saibam dominar o programa. Charleston firma, ainda, que o projeto foi importante para a forma??o acad?mica. "Desenvolver esse sistema foi fundamental para n?s conhecermos o funcionamento do mercado de trabalho", conclui.

Organizando a biblioteca
foto de Mayer Salom?o

Catalogar um acervo de cerca de seis mil obras n?o deve ser tarefa f?cil. Fazer esse controle em fichas de papel escritas ? m?o pode se tornar ainda mais complicado.

Para agilizar o cadastramento de acervo, empr?stimos, pesquisas e relat?rios da biblioteca da Escola Municipal Clorindo Burnier, os estudantes Cleverson Luis Lempk e Mayer Salom?o Vasconcellos (foto) desenvolveram o "Webteca".

A id?ia foi criar um sistema que possibilitasse aos gestores ter controle de forma simples, consistente e em tempo real, dos recursos da biblioteca, al?m da produ??o de relat?rios para facilitar a tomada de decis?es gerenciais.

A principal dificuldade foi encontrada no in?cio do projeto. "O dif?cil no come?o foi conseguir uma institui??o. Na verdade n?o foram elas que nos procuraram para sanar alguma dificuldade. N?s oferecemos uma solu??o para algum problema que, ?s vezes, nem elas sabiam que poderiam solucionar", afirma Mayer Salom?o.

Quando chegaram ? escola, a dupla n?o tinha id?ia de qual seria a necessidade da institui??o. Depois de algumas conversas com as diretoras, foi idealizado um sistema que permitisse a informatiza??o do controle da biblioteca utilizada pelos alunos. At? ent?o, os cadastros de empr?stimos e devolu?es, al?m do controle do acervo dispon?vel, era feito ? m?o. Aliando necessidade e empenho, nascia o projeto "Webteca".

logo do webteca O apoio da Escola Municipal Clorindo Burnier foi fundamental para o sucesso do projeto. "O webteca n?o foi um projeto de apenas um lado. N?s est?vamos dispostos a fazer algo de ?til para a escola e eles aceitaram e deram todo o apoio desde o in?cio", defendeu Mayer. Mesmo depois de conclu?rem a forma??o acad?mica, os alunos Mayer e Cleverson continuar?o dando assist?ncia para que sejam feitas as modifica?es para o aperfei?oamento do sistema ?s necessidades da escola.

"O webteca reuniu todos os conhecimentos que n?s tivemos durante os anos de faculdade. Desenvolver isso fora do ambiente acad?mico foi importante para simular as situa?es reais que n?s vamos encontrar quando fizermos um trabalho para um cliente", conclui Mayer.

A vice-diretora da Escola Estadual Clorindo Burnier, Isabel Chaves Morais, afirma que o projeto s? trouxe benef?cios aos freq?entadores da biblioteca. Para localizar um determinado aluno cadastrado nas antigas fichas de papel, o funcion?rio demorava cerca de tr?s minutos. Com o "webteca" esse processo dura poucos segundos. "Os alunos geralmente pegam os livros no hor?rio do recreio, que dura 20 minutos. Quando o procedimento de empr?stimo demorava muito, os alunos acabavam desistindo de pegar os livros e iam embora", lembra.

"As institui?es de Juiz de Fora geralmente n?o t?m o retorno das universidades. V?rias vezes n?s j? recorremos ao aux?lio de institui?es de ensino superior da cidade, mas nunca t?nhamos conseguido nada at? ent?o", lamenta Isabel.

*Guilherme Ar?as ? estudante de Jornalismo na UFJF