Lucas Soares Lucas Soares 30/06/2014

Haja coração, amigos!

A frase "haja coração", eternizada pelo narrador Galvão Bueno pode explicar, sem mais palavras, o sentimento do povo brasileiro nesta Copa do Mundo, principalmente após a classificação contra o Chile no último sábado, 28.

Fato é que ninguém esperava um jogo tranquilo, mas também ninguém esperava um carrossel de emoções logo no primeiro mata-mata. A Seleção Brasileira criou muito pouco, com Neymar abusando da individualidade e um Fred completamente sumido em campo. O meio-campo, responsável por fazer a bola chegar, parece mais preocupado em defender do que em atacar, vide as várias vezes em que vimos Oscar ajudando a recompor a defesa. Fernandinho não repetiu a boa atuação diante de Camarões e Luiz Gustavo acabou levando um novo cartão amarelo, e vai ficar fora do jogo contra a Colômbia.

A classificação veio, é verdade, e isso é o que mais importa. Mas o nosso time me preocupa muito. A instabilidade emocional, adicionada à pressão sentida pelos atletas, bota em risco as nossas altas chances do hexacampeonato. Quando o capitão do time, Thiago Silva, pede para ser o último cobrador por não ter confiança e se desespera em lágrimas durante as penalidades, algo não está certo. Ou mesmo o talentoso William chutar pra fora uma bola da marca do gol, ou quando Hulk não usa a força e bate extremamente mal um pênalti, coisa boa não é.

Não vou falar dos inúmeros erros da arbitragem que prejudicaram nossa seleção. Temos que ser sensatos e pensar na bola rolando. Ainda estamos longe do ideal para vencer um Mundial. No popular, estamos indo "aos trancos e barrancos". Talvez seja o excesso de expectativa depositadas nos jogadores pela imprensa, pelo povo e pela fase política que o nosso país esteja passando. Mas isso tudo deve ser colocado de lado. Sem nenhuma dúvida, temos um dos elencos mais valiosos e talentosos do torneio. E passamos aperto em todas as partidas.

Nem o idolatrado Júlio César está de fora. Nos salvou nos pênaltis, fez uma defesa milagrosa na segunda etapa, mas pulou atrasado no primeiro gol e estava mal posicionado. É preciso corrigir os erros durante a semana para vencer o bom elenco colombiano. 


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

Lucas Soares Lucas Soares 30/06/2014

Haja coração, amigos!

A frase "haja coração", eternizada pelo narrador Galvão Bueno pode explicar, sem mais palavras, o sentimento do povo brasileiro nesta Copa do Mundo, principalmente após a classificação contra o Chile no último sábado, 28.

Fato é que ninguém esperava um jogo tranquilo, mas também ninguém esperava um carrossel de emoções logo no primeiro mata-mata. A Seleção Brasileira criou muito pouco, com Neymar abusando da individualidade e um Fred completamente sumido em campo. O meio-campo, responsável por fazer a bola chegar, parece mais preocupado em defender do que em atacar, vide as várias vezes em que vimos Oscar ajudando a recompor a defesa. Fernandinho não repetiu a boa atuação diante de Camarões e Luiz Gustavo acabou levando um novo cartão amarelo, e vai ficar fora do jogo contra a Colômbia.

A classificação veio, é verdade, e isso é o que mais importa. Mas o nosso time me preocupa muito. A instabilidade emocional, adicionada à pressão sentida pelos atletas, bota em risco as nossas altas chances do hexacampeonato. Quando o capitão do time, Thiago Silva, pede para ser o último cobrador por não ter confiança e se desespera em lágrimas durante as penalidades, algo não está certo. Ou mesmo o talentoso William chutar pra fora uma bola da marca do gol, ou quando Hulk não usa a força e bate extremamente mal um pênalti, coisa boa não é.

Não vou falar dos inúmeros erros da arbitragem que prejudicaram nossa seleção. Temos que ser sensatos e pensar na bola rolando. Ainda estamos longe do ideal para vencer um Mundial. No popular, estamos indo "aos trancos e barrancos". Talvez seja o excesso de expectativa depositadas nos jogadores pela imprensa, pelo povo e pela fase política que o nosso país esteja passando. Mas isso tudo deve ser colocado de lado. Sem nenhuma dúvida, temos um dos elencos mais valiosos e talentosos do torneio. E passamos aperto em todas as partidas.

Nem o idolatrado Júlio César está de fora. Nos salvou nos pênaltis, fez uma defesa milagrosa na segunda etapa, mas pulou atrasado no primeiro gol e estava mal posicionado. É preciso corrigir os erros durante a semana para vencer o bom elenco colombiano. 


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

-
Lucas Soares Lucas Soares 30/06/2014

Haja coração, amigos!

A frase "haja coração", eternizada pelo narrador Galvão Bueno pode explicar, sem mais palavras, o sentimento do povo brasileiro nesta Copa do Mundo, principalmente após a classificação contra o Chile no último sábado, 28.

Fato é que ninguém esperava um jogo tranquilo, mas também ninguém esperava um carrossel de emoções logo no primeiro mata-mata. A Seleção Brasileira criou muito pouco, com Neymar abusando da individualidade e um Fred completamente sumido em campo. O meio-campo, responsável por fazer a bola chegar, parece mais preocupado em defender do que em atacar, vide as várias vezes em que vimos Oscar ajudando a recompor a defesa. Fernandinho não repetiu a boa atuação diante de Camarões e Luiz Gustavo acabou levando um novo cartão amarelo, e vai ficar fora do jogo contra a Colômbia.

A classificação veio, é verdade, e isso é o que mais importa. Mas o nosso time me preocupa muito. A instabilidade emocional, adicionada à pressão sentida pelos atletas, bota em risco as nossas altas chances do hexacampeonato. Quando o capitão do time, Thiago Silva, pede para ser o último cobrador por não ter confiança e se desespera em lágrimas durante as penalidades, algo não está certo. Ou mesmo o talentoso William chutar pra fora uma bola da marca do gol, ou quando Hulk não usa a força e bate extremamente mal um pênalti, coisa boa não é.

Não vou falar dos inúmeros erros da arbitragem que prejudicaram nossa seleção. Temos que ser sensatos e pensar na bola rolando. Ainda estamos longe do ideal para vencer um Mundial. No popular, estamos indo "aos trancos e barrancos". Talvez seja o excesso de expectativa depositadas nos jogadores pela imprensa, pelo povo e pela fase política que o nosso país esteja passando. Mas isso tudo deve ser colocado de lado. Sem nenhuma dúvida, temos um dos elencos mais valiosos e talentosos do torneio. E passamos aperto em todas as partidas.

Nem o idolatrado Júlio César está de fora. Nos salvou nos pênaltis, fez uma defesa milagrosa na segunda etapa, mas pulou atrasado no primeiro gol e estava mal posicionado. É preciso corrigir os erros durante a semana para vencer o bom elenco colombiano. 


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.