Lucas Soares Lucas Soares 29/09/2014

E se subir, Tupi? Como será a Série B?

Uma caminhada brilhante na Série C 2014 colocou o Tupi a dois jogos de uma inédita promoção para a Série B do Campeonato Brasileiro. O Carijó, que já está classificado para a próxima fase da competição, vai decidir em casa a vaga na divisão de cima.

A tendência é que o Tupi, mantendo o nível de atuação nas últimas rodadas, consiga a classificação e ganhe o direito de disputar a Série B em 2015, atingindo um patamar inédito na história do clube e de Juiz de Fora. No entanto, algo já preocupa os torcedores: como o Tupi vai sobreviver financeiramente em uma divisão de alto custo, levando em consideração que o elenco é um dos mais modestos da Série C, e da falta de apoio do empresariado local.

Disputar uma competição de 38 rodadas, com viagens longas por praticamente todo o Brasil, é algo complicado de se planejar para um clube com o orçamento do Tupi no cenário nacional. Será preciso ampliar e qualificar o elenco e a equipe técnica, além de investir no centro de treinamento. Isso sem contar com o planejamento das viagens, que vai incluir desde hotéis a passagens de avião para a delegação. Como dois jogos por semana, os gastos operacionais serão maiores. O único investimento que não ficará a cargo do clube é em relação ao Helenão. Como o estádio é municipal, caberá a Prefeitura fazer os ajustes que são necessários para adequação do gramado, cabines de imprensa e bilhetagem e segurança eletrônica.

No entanto, ao lado do clube, estão torcedores apaixonados, tanto pelo clube, quanto por Juiz de Fora. Diante de uma maior exposição para a cidade e empresas locais, com pay-per-view em todos os jogos, alguns inclusive com possível transmissão da TV aberta, é de se esperar que as verbas cresçam consideravelmente, tanto as cotas de TV, quanto em patrocínio local.

A classificação ainda não está garantida e é preciso manter o foco em campo por enquanto. No fim de outubro já teremos um panorama de que vai acontecer com o Tupi. No entanto, uma coisa é evidente: nunca estivemos tão perto do sonho.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

-
Lucas Soares Lucas Soares 29/09/2014

E se subir, Tupi? Como será a Série B?

Uma caminhada brilhante na Série C 2014 colocou o Tupi a dois jogos de uma inédita promoção para a Série B do Campeonato Brasileiro. O Carijó, que já está classificado para a próxima fase da competição, vai decidir em casa a vaga na divisão de cima.

A tendência é que o Tupi, mantendo o nível de atuação nas últimas rodadas, consiga a classificação e ganhe o direito de disputar a Série B em 2015, atingindo um patamar inédito na história do clube e de Juiz de Fora. No entanto, algo já preocupa os torcedores: como o Tupi vai sobreviver financeiramente em uma divisão de alto custo, levando em consideração que o elenco é um dos mais modestos da Série C, e da falta de apoio do empresariado local.

Disputar uma competição de 38 rodadas, com viagens longas por praticamente todo o Brasil, é algo complicado de se planejar para um clube com o orçamento do Tupi no cenário nacional. Será preciso ampliar e qualificar o elenco e a equipe técnica, além de investir no centro de treinamento. Isso sem contar com o planejamento das viagens, que vai incluir desde hotéis a passagens de avião para a delegação. Como dois jogos por semana, os gastos operacionais serão maiores. O único investimento que não ficará a cargo do clube é em relação ao Helenão. Como o estádio é municipal, caberá a Prefeitura fazer os ajustes que são necessários para adequação do gramado, cabines de imprensa e bilhetagem e segurança eletrônica.

No entanto, ao lado do clube, estão torcedores apaixonados, tanto pelo clube, quanto por Juiz de Fora. Diante de uma maior exposição para a cidade e empresas locais, com pay-per-view em todos os jogos, alguns inclusive com possível transmissão da TV aberta, é de se esperar que as verbas cresçam consideravelmente, tanto as cotas de TV, quanto em patrocínio local.

A classificação ainda não está garantida e é preciso manter o foco em campo por enquanto. No fim de outubro já teremos um panorama de que vai acontecer com o Tupi. No entanto, uma coisa é evidente: nunca estivemos tão perto do sonho.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

Lucas Soares Lucas Soares 29/09/2014

E se subir, Tupi? Como será a Série B?

Uma caminhada brilhante na Série C 2014 colocou o Tupi a dois jogos de uma inédita promoção para a Série B do Campeonato Brasileiro. O Carijó, que já está classificado para a próxima fase da competição, vai decidir em casa a vaga na divisão de cima.

A tendência é que o Tupi, mantendo o nível de atuação nas últimas rodadas, consiga a classificação e ganhe o direito de disputar a Série B em 2015, atingindo um patamar inédito na história do clube e de Juiz de Fora. No entanto, algo já preocupa os torcedores: como o Tupi vai sobreviver financeiramente em uma divisão de alto custo, levando em consideração que o elenco é um dos mais modestos da Série C, e da falta de apoio do empresariado local.

Disputar uma competição de 38 rodadas, com viagens longas por praticamente todo o Brasil, é algo complicado de se planejar para um clube com o orçamento do Tupi no cenário nacional. Será preciso ampliar e qualificar o elenco e a equipe técnica, além de investir no centro de treinamento. Isso sem contar com o planejamento das viagens, que vai incluir desde hotéis a passagens de avião para a delegação. Como dois jogos por semana, os gastos operacionais serão maiores. O único investimento que não ficará a cargo do clube é em relação ao Helenão. Como o estádio é municipal, caberá a Prefeitura fazer os ajustes que são necessários para adequação do gramado, cabines de imprensa e bilhetagem e segurança eletrônica.

No entanto, ao lado do clube, estão torcedores apaixonados, tanto pelo clube, quanto por Juiz de Fora. Diante de uma maior exposição para a cidade e empresas locais, com pay-per-view em todos os jogos, alguns inclusive com possível transmissão da TV aberta, é de se esperar que as verbas cresçam consideravelmente, tanto as cotas de TV, quanto em patrocínio local.

A classificação ainda não está garantida e é preciso manter o foco em campo por enquanto. No fim de outubro já teremos um panorama de que vai acontecer com o Tupi. No entanto, uma coisa é evidente: nunca estivemos tão perto do sonho.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.