Grupos de risco vão receber vacina contra a gripe A Foram definidos seis grupos que deverão receber a dose da
vacina entre os meses de março e maio

Aline Furtado *
Repórter
26/1/2010

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, divulgou, nesta terça-feira, 26 de janeiro, a estratégia nacional para o enfrentamento da segunda onda da gripe A no país, prevista para o inverno. O Ministério da Saúde (MS) adquiriu 83 milhões de doses da vacina, as quais serão direcionadas a seis grupos definidos como prioritários. A vacinação ocorrerá em quatro etapas, entre os meses de março e maio. Será feito ainda o reforço na rede de assistência em todo o Brasil.

De acordo com o ministro, a intenção não é evitar a disseminação do vírus Influeza A (H1N1), causador da gripe A. "Pretendemos proteger a saúde da população, o que será possível com os serviços funcionando bem. Só assim conseguiremos reduzir o número de casos graves e os óbitos." Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 209 países têm casos confirmados, já tendo sido registrados 14 mil óbitos. No Brasil, foram confirmados 39.679 casos, de abril a dezembro do passado, e 1.705 óbitos. "Nos próximos seis a doze meses o alerta deve continuar", ressaltou Temporão.

A expectativa do MS é imunizar pelo menos 62 milhões de pessoas contra a gripe pandêmica. Cada uma das fases da estratégia de vacinação estará voltada a um público específico, formado por trabalhadores da rede de atenção à saúde - setores público e privado - e profissionais envolvidos na resposta à gripe A, indígenas, gestantes em qualquer estágio, pessoas com doenças crônicas e obesidade grau 3 - antiga obesidade mórbida (exceto idosos), crianças saudáveis de seis meses a dois anos e adultos saudáveis de 20 a 29 anos (ver tabela). Conforme informações do ministro, os públicos foram definidos como base na vulnerabilidade verificada na primeira onda da gripe A no país, em 2009.

As doses serão enviadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde aos municípios de acordo com o levantamento do número de pessoas que se enquadram em cada público previamente definido para receber a vacina. Segundo o subsecretário de vigilância da saúde da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), Ivander Mattos, a cidade deverá terminar seu levantamento até a próxima sexta-feira, dia 30. De acordo com Mattos, a rede de saúde da cidade está apta a receber os pacientes da gripe A, mas aponta que, no caso de necessidade, o ambulatório construído para tratar casos da doença poderá ser reativado.

Entre as ações a serem tomadas pelo Programa Nacional de Imunização estão a ampliação do número de laboratórios que realizam os exames da gripe A, passando de sete para 14, novas aquisições de medicamentos, totalizando 21,9 milhões de tratamentos disponíveis, além do reforço de equipamentos, ampliação da capacidade de atendimento e capacitação de profissionais por meio de parcerias com instituições de ensino. “Esta campanha será o maior desafio já enfrentado pelo Programa Nacional de Imunização. Portanto, trata-se de um desafio para toda a sociedade. As pessoas devem continuar adotando medidas de prevenção, como hábitos de higiene”, destacou o ministro.

Grupos

As pessoas dos grupos indicados deverão comparecer às unidades de saúde com a carteirinha de vacinação e documento de identidade. A vacina é contraindicada para quem tem alergia a ovo. Segundo Mattos, a reação da vacina varia de pessoa para pessoa. "Geralmente os sintomas são parecidos com os de uma gripe comum."

As crianças entre os seis meses e os dois anos de vida receberão meia dose de vacina, sendo a outra metade aplicada a partir do 21º dia da aplicação da primeira. Deverão, ainda, ser imunizadas pessoas com doenças crônicas como: doenças do coração, pulmão, fígado, rins e sangue; diabéticos, pessoas com deficiências no sistema imunológico, entre outras.

Os idosos que não apresentarem doenças crônicas deverão receber apenas a dose da vacina contra a gripe comum. Estarão disponíveis 22,3 milhões de doses de vacina contra gripe comum para imunizar 19 milhões de idosos. No caso de alterações na situação epidemiológica e disponibilidade da vacina, outros grupos poderão ser vacinados numa quinta etapa da estratégia de imunização.

CRONOGRAMA DE VACINAÇÃO DOS GRUPOS PRIORITÁRIOS
Grupos Prioritários Data da vacinação Etapa
Trabalhadores da rede de atenção à saúde e profissionais envolvidos na resposta à pandemia 8/3 a 19/3
Indígenas 8/3 a 19/3
Gestantes 22/3 a 7/5 2ª a 4ª
Doentes crônicos 22/3 a 2/4
Crianças de seis meses a dois anos 22/3 a 2/4
População de 20 a 29 anos 5/4 a 23/4
Idosos (mais de 60 anos) com doenças crônicas 24/4 a 7/5

FONTE: Ministério da Saúde

Os textos são revisados por Madalena Fernandes

*Colaborou: Daniele Gruppi


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.