• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde
    Ana Stuart Ana Stuart 5/9/2011

    O luto

    IlustraçãoDe que forma cada um de nós aceita a perda?

    Para vários pesquisadores, perda está diretamente ligada ao sentimento de solidão e de vazio.

    Desde nosso nascimento, sofremos perdas, a começar pela perda do útero quentinho e acolhedor, por isto nascemos chorando e com medo.

    E esta é a mesma sensação de quando perdemos um ente muito querido, medo, vazio e solidão.

    Quando este sofrimento é experimentado diante da morte física, o luto intrigantemente é mais fácil de ser elaborado. Você supõe onde está a pessoa e que você não a verá mais, não porque ela não quer mas porque ela não pode.

    Já o luto vivenciado com a pessoa em vida que se afasta, a dor é mais difícil de ser elaborada, devido ao sentimento de rejeição.

    Nossa dificuldade em não sermos egoístas e orgulhosos é imensa.

    Quando nos sentimos rejeitados, temos a tendência de trazer à tona estes sentimentos mesquinhos e negativos, que são muito fáceis de serem sentidos.

    O mais difícil é abraçarmos esta dor para fazer uma auto-análise profunda do que precisa ser modificado em nós mesmos.

    A autossuperação funciona como proteção contra a tristeza.

    E neste processo, não podemos negar os sentimentos mesquinhos, mas sim elaborá-los em forma de libertação, ou seja, libertar o outro para libertar-se. Deixá-lo ir com serenidade e nobreza.

    A partir daí, se permitir vivenciar as boas recordações para o alívio da dor e da solidão e aproveitar as lembranças negativas para entender o processo de negação.

    O luto é imprescindível para o recomeço ou novo começo, mas, para isso, é necessária uma boa dose de coragem.

    Devemos estar alertas para não cairmos nas armadilhas da depressão e da culpa. Perigosas porque abaixam nossa imunidade emocional e consequentemente a imunidade física.

    Portanto, devemos ter a humildade de procurar ajuda com especialistas e amigos, sem descartar os grupos de apoio. Mas, pricipalmente, confiar em si mesmo e no poder superior.

    Mais artigos

    Ana Stuart
    é psicóloga e terapeuta familiar

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.