• Assinantes
  • Autenticação
  • Seus Direitos
    Terça-feira, 6 de outubro de 2015, atualizada às 18h03

    Faculdade terá de indenizar por demora em reconhecimento de mestrado

    tjmg

    A instituição de ensino Associação Propagadora Esdeva, de Juiz de Fora, foi condenada a indenizar uma estudante em R$15 mil, por danos morais, porque seu título de mestrado só foi reconhecido pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) dez anos após ela concluir a pós-graduação. A decisão é da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

    A estudante afirmou no processo que, atraída por campanha publicitária, matriculou-se no mestrado em educação da instituição, o qual cursou de setembro de 1996 a outubro de 1998, pagando uma taxa mensal de R$ 300. Devido à demora de dez anos para o MEC reconhecer o título, ela perdeu oportunidades e não conseguiu prestar concurso para professora. Ela ajuizou a ação pleiteando indenização por danos materiais, referentes ao valor gasto para o custeio do curso, e por danos morais.

    A instituição de ensino, em sua defesa, argumentou que a estudante sabia, no momento da matrícula, que o curso ainda não era reconhecido e que todos os procedimentos para o reconhecimento já haviam sido tomados, mas que a demora foi causada pelo órgão competente.

    O juiz de primeira instância aceitou o argumento do instituto de ensino sob o fundamento de que a estudante assumiu o risco de não receber o título ao iniciar curso que não tinha reconhecimento do MEC. A estudante recorreu ao Tribunal.

    A turma julgadora modificou a decisão do magistrado de primeira instância. O relator, desembargador Márcio Hidalmo dos Santos Miranda, observou que a Esdeva não comprovou ter informado à aluna que o curso não era reconhecido pelo MEC. Para ele, a instituição deve responder pela prestação defeituosa do serviço, o que ficou confirmado com o reconhecimento tardio do curso. Ele negou, no entanto, o pedido de indenização por danos materiais, pois, com o reconhecimento do curso pelo MEC, “o serviço não se tornou imprestável ao fim a que se destinava”.

    Quanto ao valor da indenização por danos morais, os desembargadores Amorim Siqueira e José Arthur Filho estipularam-no em R$15 mil, ficando vencido o relator, que havia estipulado R$ 10 mil.

    Por TJMG

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.