Ter?a-feira, 02 de outubro de 2007, atualizada ?s 18h15

Presos recebem oportunidade de emprego em Penitenci?ria de JF


Thiago Werneck
Rep?rter

Os detentos da Penitenci?ria Ariosvaldo Campos Pires, no bairro Linhares em Juiz de Fora, t?m uma oportunidade de reduzir suas penas e ganhar dinheiro. Tr?s empresas instalaram unidades de produ??o dentro do complexo penitenci?rio e oferecem emprego para 92 detentos. Parte do sal?rio recebido vai para uma poupan?a do preso, outra para fam?lia e uma terceira fica com estado.

J? funcionavam na Penitenci?ria a produ??o de uma Lavanderia Industrial onde eles fazem acabamento em pe?as de jeans; uma padaria com produ??o di?ria de 2300 p?es para consumo dos pr?prios detentos e em setembro uma empresa de malhas tamb?m aderiu ao projeto dando emprego a 20 detentos.

Nesse servi?o eles agrupam meias em pares, passam, envelopam, etiqueta e embalam as meias. Para a gerente de Recursos Humanos da empresa, Simone Salles , essa ? a oportunidade de promover ressocializa??o e dar uma nova oportunidade aos detentos. "Nosso interesse ? reinser??o social. Estamos preparando eles para o trabalho", conta.

A id?ia partiu da Federa??o das Ind?strias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) Regional Zona da Mata. Segundo o analista em Com?rcio Exterior da entidade, Jos? Lopes Corr?a Netto, tudo come?ou com a vontade de se fazer um projeto para ajudar os detentos. "Conversamos com o diretor da penitenci?ria e ele se mostrou receptivo ? proposta. Depois apresentamos o projeto a empresas da cidade mostrando os benef?cios", recorda.

Os presidi?rios n?o s?o amparados pela leis trabalhistas e por isso n?o t?m f?rias, d?cimo terceiro e nem custam outros encargos. "? bom para empresa que tem esses benef?cios e para o preso que tem pena reduzida e ainda ganha dinheiro ", destaca Jos? Lopes. A cada tr?s dias trabalhados, um ? reduzido da pena. "Quanto menos tempo eles ficam dentro da penitenci?ria, mais a sociedade ganha tendo gastos do dinheiro p?blico", ressalta.

Os detentos passam por per?odo de treinamento e na sa?da da penitenci?ria ganham certificado de refer?ncia da empresa. "N?o posso prometor emprego para eles, mas pode ser que eles conquistem uma vaga na nossa empresa, s? n?o posso garantir", afirma Simone. Jos? Lopes refor?a que esse tipo de trabalho dentro da Penitenci?ria n?o gera desemprego. "As ind?strias de Juiz de Fora est?o carentes de m?o de obra qualificada e por isso eles n?o est?o tomando vaga de ningu?m", conclui.