• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Vida do sambista Geraldo Santana é contada em livro do escritor Wanderley Oliveira

    Produção da obra durou dois anos. No trabalho, o escritor evoca as origens e reminiscências familiares do artista

    Jorge Júnior
    Repórter
    27/3/2012
    wanderley

    A vida e a trajetória do sambista Geraldo Santana ganharam as páginas do livro Geraldo Santana - Sonho, Música e Realidade, escrito por Wanderley Luiz de Oliveira (foto ao lado). "Conheci o Geraldo em outubro de 2008 e achei que ele merecia um livro. Ele tinha uma história que não podia deixar de ser destacada", disse o autor em entrevista concedida ao Portal ACESSA.com.

    Segundo Oliveira, todo o trabalho para a produção da obra começou em 13 de maio de 2009. "Foram entrevistas gravadas com o Geraldo, que resultaram em um arquivo de 12 fitas, além de textos esboçados pelo próprio sambista, recortes de jornais, fotografias e DVDs", diz. Os encontros com Santana surgiam em mesas de bares. "A inspiração surge nesses lugares."

    Sobre a elaboração do projeto, o autor garante que foi um trabalho difícil, porém, bem elaborado. "Escrevi o livro em dois anos, finalizando a produção em maio de 2011, com 200 páginas." Segundo ele, os músicos que conviveram com Santana também deram boas informações sobre o bamba.

    No trabalho, o escritor evoca as origens e reminiscências familiares do artista; resgata, com riqueza de detalhes, sua infância, adolescência e maturidade. "Não imaginava encontrar em seu acervo as letras de suas composições, os rascunhos de seus projetos, sua vida já ali esboçada em folhas avulsas. Descobri em Geraldo, além do notável compositor, qualidades humanas que superaram minhas expectativas: o respeito e a admiração pelos pais, irmãos, professores, e amigos incentivadores, nesse homem, cujo amor pela esposa, filhos e netos é flagrante", retrata Oliveira, na introdução da biografia.

    Sobre a recepção do registro, Oliveira afirma que a obra vai incomodar e criar ciúmes no meio. "O Geraldo contribuiu muito para a música. Ele era muito exigente e compunha quase diariamente. Apesar da geração atual não conhecê-lo, ele foi famoso na década de 50", acrescenta.

    Depoimentos

    A publicação apresenta depoimentos colhidos por Oliveira, de Nelson Bravo, Saint Clair Nascimento, Waldir Silva, Altamiro Carrilho e muitos outros que acompanharam a trajetória dessa prata da casa de Juiz de Fora. Logo no início do livro, os leitores irão se deparar com um depoimento de Geraldo Santana, descrevendo o sentimento de ter sua vida contada em um livro. "Honra-me contar a história de minha vida, destacando, principalmente, minha trajetória na Música Popular Brasileira. 'Geraldo Santana - Sonho - Música e Realidade' vai abrir uma janela, onde os produtores vislumbrarão uma bateria com diamante bruto no garimpo musical... O livro vai mudar os conceitos sobre mim, pois as oportunidades que tive não as aproveitei e elas desvaneceram..."

    Além desse livro, Oliveira tem um outro livro com cerca de 250 páginas, reunindo 1.100 músicas e letras do sambista. Essa obra poderá ser conferida na Biblioteca Municipal Murilo Mendes e na Divisão de Memória da Funalfa.

    Sobre Geraldo Santana                                
    geraldo

    Geraldo Santana nasceu em 30 de março de 1930, na Fazenda da Liberdade, próximo a Piau, no distrito de Coronel Pacheco (MG), hoje cidade de mesmo nome. Veio para Juiz de Fora ainda menino. Cantor prodígio e ritmista nato, iniciou-se muito cedo no ambiente musical; participou de programas de calouros e festivais de música; fez shows e bailes; cantou em clubes e programas de rádio; tocou e gravou com músicos de sucesso.

    Detentor da Carteira da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) número 1.248, é autor de centenas de músicas, algumas gravadas em LPs e CDs; fez jingles; compôs hinos e marchas para os clubes de futebol e para a Seleção Brasileira, além de enredos para as escolas de samba de Juiz de Fora; fundou blocos carnavalescos, conjuntos e bandas.

    Venceu o programa A Grande Chance, de Flávio Cavalcanti. No Rio, conviveu com grandes nomes da MPB e trabalhou em casas noturnas. No Botafogo, foi encarregado da sala de imprensa. Gravou depoimento no Museu da Imagem e do Som de Juiz de Fora. É verbete no Dicionário da MPB, de Ricardo Cravo Albin. Santana morreu em outubro de 2011.

    Lançamento

    O lançamento está marcado para a noite desta quarta-feira, 28 de março, às 20h, no Museu de Crédito Real, na avenida Getúlio Vargas 445, 3º andar, Centro. O livro custa R$ 30 e segundo Oliveira "o dinheiro será repassado para a família do sambista".

    Os textos são revisados por Mariana Benicá

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.