• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    Educação em protesto Professores municipais paralisam atividades nesta terça,
    enquanto servidores da UFJF se preparam para greve no dia 28

    Renata Cristina
    Repórter
    21/05/2007

    Após um mês da entrega da pauta de reivindicações à Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), os professores da rede municipal de ensino realizam paralisação nesta terça, dia 22 de maio, em defesa do reajuste salarial de 29%, referente as perdas acumuladas entre maio de 1997 a abril de 2004.

    "Contamos com a adesão em massa", declara o coordenador geral do Sindicato dos Professores de Juiz de Fora (Sinpro), Roberto Cupolillo. O grupo se prepara para uma assembléia também nesta terça, 22 de maio, às 15h, no Teatro Pró-Música (Avenida Rio Branco, 2329). No mesmo horário, representantes do Sinpro se reúnem com a Secretaria de Administração e Recursos Humanos da prefeitura para discutir a contraproposta do governo municipal.

    A classe reinvidica, ainda, a homologação dos concursos em andamento para imediata efetivação, abertura de concursos para as disciplinas de português, história e ciências. A lista de pedidos contempla passe-livre para o magistério no período de trabalho ou vale-transporte pago em espécie, sem desconto no contra-cheque.

    Atualmente, os professores municipais com nível médio ganham R$ 552,23 e com nível superior R$ 813,93, com uma carga horária de 20 horas semanais. O reajuste previsto pelo Sinpro segue a proposta da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE). "Vamos negociar com a prefeitura e, dependendo do que for proposto, poderemos declarar greve", afirma Cupolillo.

    Também em protesto, os servidores da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) declararam estado de greve no último dia 21. Nesta quarta, dia 23, o grupo realiza paralisação e ato público em frente ao Museu de Arte Moderna Murilo Mendes (MAM).

    "A greve já foi deliberada nas plenárias do dia 4 e 5 de maio em Brasília", explica a coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFJF (Sintufejuf), Heloísa de Oliveira. Além do reajuste salarial, os servidores pretendem conseguir a reestruturação da tabela de salários-base e garantir o direito de greve, abalado pelo projeto de lei , que prevê novas regras para greves no funcionalismo público.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.