Quarta-feira, 16 de março de 2011, atualizada às 16h33

Servidores da UFJF paralisam atividades na próxima sexta-feira. Greve deve ser deflagrada no dia 28

Aline Furtado
Repórter

Uma assembleia, realizada nesta quarta-feira, 16 de março, entre os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), definiu que na próxima sexta-feira, dia 18, a categoria vai realizar uma paralisação das atividades. Além disso, os trabalhadores deverão deflagrar, a partir do dia 28, greve por tempo indeterminado.

"Vamos aguardar os resultados de uma assembleia nacional que irá ocorrer no dia 26, em Brasília. Nos reuniremos novamente no dia 28, mas já aprovamos o indicativo de greve para a data", destaca o coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFJF (Sintufejuf), Paulo Dimas de Castro.

Com a paralisação, serão interrompidos serviços como o sistema de transporte, que auxilia no deslocamento de bolsistas até o campus e de alunos até o Restaurante Universitário (RU), além do atendimento na Biblioteca Central, nos dois RUs e nos laboratórios de alguns departamentos da instituição.

Entre os pontos que motivaram a mobilização da categoria está a aprovação, em dezembro do ano passado, pelo governo Federal, da Medida Provisória (MP) 520, que prevê a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, que passaria a administrar os hospitais universitários. "Além disso, é uma forma de protesto contra a decisão do governo de conceder reajuste salarial apenas em 2019."

De acordo com Castro, novas assembleias serão realizadas, a fim de que seja definido o índice de aumento salarial que será proposto pelos servidores técnico-administrativos. Na próxima sexta-feira, 18, os trabalhadores farão uma manifestação, às 9h30, em frente ao RU Centro.

UFV também para no dia 18

Conforme o vice-presidente do Sindicato dos Servidores da Universidade Federal de Viçosa (Sinsuv), Wilson Lourenço, em assembleia realizada recentemente, a categoria definiu que serviços considerados não essenciais para a comunidade acadêmica serão interrompidos na próxima sexta-feira, dia 18. "Manteremos a vigilância, o tratamento de animais e os setores que trabalham com alimentação."

Segundo ele, há possibilidade de greve, contudo, a decisão depende do que for discutido no encontro do próximo dia 26, em Brasília. "A mobilização deve-se à MP 520, à extinção de cargos e à utilização dos terceirizados pela UFV."

UFLA ainda votará a respeito da greve

De acordo com o diretor-administrativo do Sindicato dos Técnicos Administrativos em Educação das Instituições Federais de Ensino de Lavras (Sind-UFLA), Éder Teixeira de Paula, a categoria vai se reunir nesta quinta-feira, dia 17, a fim de votar o indicativo de greve para o dia 28, conforme sugerido pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra).

"Tudo indica que a greve será mesmo deflagrada, seguindo o movimento nacional. Estamos na luta contra a racionalização de cargos, pelo retorno da data-base, extinta na época do Governo Collor, além de apresentarmos posição contrária ao PLP 549/2009, que impede que os órgãos criem cargos e funções, realizem mudanças de carreiras e concedam reajustes ou adequem remuneração."

UFSJ segue sem definição

Os representantes da coordenação do Sindicato dos Servidores da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) deverão se reunir no próximo dia 29 para definir uma data na qual será realizada a assembleia da categoria, a fim de definir os rumos do movimento. "Entendemos que o dia 28 não seria a data inicial da greve, por isso e devido ao fato de as pessoas ainda estão retornando das férias, ainda não realizamos nenhuma reunião com os trabalhadores", explica o coordenador-geral do sindicato, Luiz Fernando Machado.

Os textos são revisados por Thaísa Hosken

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.