Lucas Soares Lucas Soares 24/02/2014

É correta a convocação de Fred e Jô?

Fred e JôLuiz Felipe Scolari, o Felipão, divulgou na manhã desta segunda-feira, 24 de fevereiro, os três jogadores que ainda faltavam para completar a lista da Seleção Brasileira para o último amistoso de preparação para a Copa do Mundo. Nela não tinha nenhuma surpresa. O goleiro Jefferson, do Botafogo, e os atacantes Fred, do Fluminense, e Jô, do Atlético-MG, foram chamados.

Imediatamente começaram a pipocar nas redes sociais questionamentos sobre as escolhas dos dois centroavantes, principalmente Fred. O camisa 9 da Copa das Confederações caiu muito de produção após o torneio, se lesionou e ficou seis meses sem marcar um gol. Enquanto isso, Jô conquistou seu espaço, foi titular na Seleção e marcou gols lá e no clube. Mas, como o torcedor brasileiro nunca está satisfeito, foram várias as reclamações sobre a inclusão dos dois, principalmente em momentos que surgem jogadores em fases melhores.

Se futebol é momento, os dois estariam fora. Jô, que não joga mal, é inferior ao seu colega de clube Diego Tardelli, por exemplo. Fred vive fase bem pior que o gordinho Walter, também do Fluminense. Alan Kardec, do Palmeiras, surgiu como forte candidato na imprensa após ser elogiado por Felipão. Mas então por que o treinador os escolheu?

Quem tem boa memória vai se lembrar de 2001 e 2002. Felipão não levou Romário para a Copa na Coréia e Japão. Foi teimoso e acabou campeão. Tá que nenhum desses jogadores é o Romário da vez, tanto na bola quanto na fama, mas a escolha de Scolari de dar confiança à jogadores e garanti-los na Copa é uma forma de mostrar que confia nesses jogadores, independente do que aconteça.

É o que acontece com o goleiro Júlio César, que ficou encostado na reserva do Queen Park Rangers, na segunda divisão inglesa, durante todo o segundo semestre, e mesmo assim foi convocado. É o que aconteceu com Fred, que bastou recuperar um pouco da forma física para ser lembrado. Mas, ao mesmo tempo, é o que não aconteceu com Lucas, ex-São Paulo, que se lesionou, foi para a reserva do PSG e se viu excluído da Seleção.

Felipão pode usar dois pesos e duas medidas, mas a confiança em jogadores vencedores é evidente em suas escolhas. É inegável que Fred e Júlio César são campeões, têm perfis de líderes de grupo e são fundamentais para a Seleção. Em forma física e técnica, ambos podem contribuir mais do que qualquer um dos atuais concorrentes. Mas, ao se pensar que o garoto Lucas é considerado um dos futuros da Seleção, é questionada sua ausência, visto todo o histórico do treinador de garantir seus escolhidos.

O atacante Leandro Damião, à época no Internacional, era o convocado para a Copa das Confederações. Se lesionou antes da competição e Jô entrou, correspondeu e assumiu seu lugar nas convocações. Damião também caiu muito de produção e não foi mais chamado. A questão é: porque Robinho, que entrou no lugar do Fred, e também correspondeu, não foi lembrado no momento em que Fred vive uma má fase?

Portanto, para responder a pergunta título desse artigo, são dois pontos de vista. Do primeiro, ao se analisar friamente o futebol, não. Jô e Fred, hoje, não mereciam estar na lista. E, uma análise de histórico e confiança no grupo, sim, a meritocracia os credencia à convocação. O que eu acho? Acho que Felipão está correto. Afinal, ele precisa ter certeza que pode confiar e controlar seus jogadores.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

-
Lucas Soares Lucas Soares 24/02/2014

É correta a convocação de Fred e Jô?

Fred e JôLuiz Felipe Scolari, o Felipão, divulgou na manhã desta segunda-feira, 24 de fevereiro, os três jogadores que ainda faltavam para completar a lista da Seleção Brasileira para o último amistoso de preparação para a Copa do Mundo. Nela não tinha nenhuma surpresa. O goleiro Jefferson, do Botafogo, e os atacantes Fred, do Fluminense, e Jô, do Atlético-MG, foram chamados.

Imediatamente começaram a pipocar nas redes sociais questionamentos sobre as escolhas dos dois centroavantes, principalmente Fred. O camisa 9 da Copa das Confederações caiu muito de produção após o torneio, se lesionou e ficou seis meses sem marcar um gol. Enquanto isso, Jô conquistou seu espaço, foi titular na Seleção e marcou gols lá e no clube. Mas, como o torcedor brasileiro nunca está satisfeito, foram várias as reclamações sobre a inclusão dos dois, principalmente em momentos que surgem jogadores em fases melhores.

Se futebol é momento, os dois estariam fora. Jô, que não joga mal, é inferior ao seu colega de clube Diego Tardelli, por exemplo. Fred vive fase bem pior que o gordinho Walter, também do Fluminense. Alan Kardec, do Palmeiras, surgiu como forte candidato na imprensa após ser elogiado por Felipão. Mas então por que o treinador os escolheu?

Quem tem boa memória vai se lembrar de 2001 e 2002. Felipão não levou Romário para a Copa na Coréia e Japão. Foi teimoso e acabou campeão. Tá que nenhum desses jogadores é o Romário da vez, tanto na bola quanto na fama, mas a escolha de Scolari de dar confiança à jogadores e garanti-los na Copa é uma forma de mostrar que confia nesses jogadores, independente do que aconteça.

É o que acontece com o goleiro Júlio César, que ficou encostado na reserva do Queen Park Rangers, na segunda divisão inglesa, durante todo o segundo semestre, e mesmo assim foi convocado. É o que aconteceu com Fred, que bastou recuperar um pouco da forma física para ser lembrado. Mas, ao mesmo tempo, é o que não aconteceu com Lucas, ex-São Paulo, que se lesionou, foi para a reserva do PSG e se viu excluído da Seleção.

Felipão pode usar dois pesos e duas medidas, mas a confiança em jogadores vencedores é evidente em suas escolhas. É inegável que Fred e Júlio César são campeões, têm perfis de líderes de grupo e são fundamentais para a Seleção. Em forma física e técnica, ambos podem contribuir mais do que qualquer um dos atuais concorrentes. Mas, ao se pensar que o garoto Lucas é considerado um dos futuros da Seleção, é questionada sua ausência, visto todo o histórico do treinador de garantir seus escolhidos.

O atacante Leandro Damião, à época no Internacional, era o convocado para a Copa das Confederações. Se lesionou antes da competição e Jô entrou, correspondeu e assumiu seu lugar nas convocações. Damião também caiu muito de produção e não foi mais chamado. A questão é: porque Robinho, que entrou no lugar do Fred, e também correspondeu, não foi lembrado no momento em que Fred vive uma má fase?

Portanto, para responder a pergunta título desse artigo, são dois pontos de vista. Do primeiro, ao se analisar friamente o futebol, não. Jô e Fred, hoje, não mereciam estar na lista. E, uma análise de histórico e confiança no grupo, sim, a meritocracia os credencia à convocação. O que eu acho? Acho que Felipão está correto. Afinal, ele precisa ter certeza que pode confiar e controlar seus jogadores.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

Lucas Soares Lucas Soares 24/02/2014

É correta a convocação de Fred e Jô?

Fred e JôLuiz Felipe Scolari, o Felipão, divulgou na manhã desta segunda-feira, 24 de fevereiro, os três jogadores que ainda faltavam para completar a lista da Seleção Brasileira para o último amistoso de preparação para a Copa do Mundo. Nela não tinha nenhuma surpresa. O goleiro Jefferson, do Botafogo, e os atacantes Fred, do Fluminense, e Jô, do Atlético-MG, foram chamados.

Imediatamente começaram a pipocar nas redes sociais questionamentos sobre as escolhas dos dois centroavantes, principalmente Fred. O camisa 9 da Copa das Confederações caiu muito de produção após o torneio, se lesionou e ficou seis meses sem marcar um gol. Enquanto isso, Jô conquistou seu espaço, foi titular na Seleção e marcou gols lá e no clube. Mas, como o torcedor brasileiro nunca está satisfeito, foram várias as reclamações sobre a inclusão dos dois, principalmente em momentos que surgem jogadores em fases melhores.

Se futebol é momento, os dois estariam fora. Jô, que não joga mal, é inferior ao seu colega de clube Diego Tardelli, por exemplo. Fred vive fase bem pior que o gordinho Walter, também do Fluminense. Alan Kardec, do Palmeiras, surgiu como forte candidato na imprensa após ser elogiado por Felipão. Mas então por que o treinador os escolheu?

Quem tem boa memória vai se lembrar de 2001 e 2002. Felipão não levou Romário para a Copa na Coréia e Japão. Foi teimoso e acabou campeão. Tá que nenhum desses jogadores é o Romário da vez, tanto na bola quanto na fama, mas a escolha de Scolari de dar confiança à jogadores e garanti-los na Copa é uma forma de mostrar que confia nesses jogadores, independente do que aconteça.

É o que acontece com o goleiro Júlio César, que ficou encostado na reserva do Queen Park Rangers, na segunda divisão inglesa, durante todo o segundo semestre, e mesmo assim foi convocado. É o que aconteceu com Fred, que bastou recuperar um pouco da forma física para ser lembrado. Mas, ao mesmo tempo, é o que não aconteceu com Lucas, ex-São Paulo, que se lesionou, foi para a reserva do PSG e se viu excluído da Seleção.

Felipão pode usar dois pesos e duas medidas, mas a confiança em jogadores vencedores é evidente em suas escolhas. É inegável que Fred e Júlio César são campeões, têm perfis de líderes de grupo e são fundamentais para a Seleção. Em forma física e técnica, ambos podem contribuir mais do que qualquer um dos atuais concorrentes. Mas, ao se pensar que o garoto Lucas é considerado um dos futuros da Seleção, é questionada sua ausência, visto todo o histórico do treinador de garantir seus escolhidos.

O atacante Leandro Damião, à época no Internacional, era o convocado para a Copa das Confederações. Se lesionou antes da competição e Jô entrou, correspondeu e assumiu seu lugar nas convocações. Damião também caiu muito de produção e não foi mais chamado. A questão é: porque Robinho, que entrou no lugar do Fred, e também correspondeu, não foi lembrado no momento em que Fred vive uma má fase?

Portanto, para responder a pergunta título desse artigo, são dois pontos de vista. Do primeiro, ao se analisar friamente o futebol, não. Jô e Fred, hoje, não mereciam estar na lista. E, uma análise de histórico e confiança no grupo, sim, a meritocracia os credencia à convocação. O que eu acho? Acho que Felipão está correto. Afinal, ele precisa ter certeza que pode confiar e controlar seus jogadores.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, é jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e apaixonado por futebol. Atualmente, é aluno de pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora, Repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.