Lucas Soares Lucas Soares 14/09/2015

Freio na empolgação rubro-negra

A torcida do Flamengo é um caso único de empolgação e decepção com seu time. Bastam duas vitórias seguidas e já começam a acreditar em tudo, enquanto duas derrotas já ligam o sinal de alerta rubro-negro. Falo com propriedade, pois faço parte da Nação e o lado emocional acaba "pensando" desta forma.

Após quatro anos longe do G4, o clube conseguiu voltar a figurar entre os quatro primeiros do Brasileirão com a vitória sobre o Cruzeiro na última quinta-feira, 10. À época, a quinta seguida. No domingo, nova vitória sobre a Chapecoense, somando a sexta consecutiva pelo Brasileirão. Líder do returno, com seis vitórias em seis jogos, o Flamengo se encontrou no campeonato sem Guerrero, jogador mais caro e referência da equipe. Na ausência do camisa 9, lesionado e convocado para a Seleção Peruana, venceu as últimas cinco vitórias e a expectativa é de uma equipe mais fortalecida com o retorno do artilheiro.

Mas é hora de colocar um freio na empolgação dos torcedores flamenguistas. Por quê? Porque essa fase invicta e de vitórias - muito provavelmente - não durará para sempre. E, mesmo que permaneça assim por mais alguns jogos, a dificuldade nos próximos confrontos tende a aumentar, principalmente nos confrontos decisivos. Onde já se viu, falar em título, estando 13 pontos atrás de um líder que não perde há 17 rodadas?

A Libertadores, no entanto, é um sonho plenamente possível, porém, muito complicado. São muitas equipes na briga e qualquer tropeço nesta reta final poderá decretar a saída da equipe do pelotão da frente. A tabela foi "generosa" com o Flamengo, colocando a equipe para enfrentar cinco dos seus adversários diretos nessa briga, todos fora de casa. Tem o Atlético-MG, o Corinthians, o Grêmio, o Santos e o Atlético-PR, jogos difíceis que vão exigir muito em termos de plantel.

Em compensação, o clube enfrenta adversários teoricamente mais fracos em seus domínios: Coritiba, Joinville, Goiás, Ponte Preta, além do clássico contra o Vasco, hoje na lanterna da competição. Completam os adversários rubro-negros os duelos contra Figueirense (F), Internacional (C) e Palmeiras (C), na última rodada. Embora os matemáticos ainda não tenham calculado um número mágico para terminar no G4, baseando-se nos últimos anos, é necessário ao menos 60 pontos. Se o Flamengo vencer os sete jogos em casa, somará mais 21 pontos e chega aos 62. Uma vitória fora dará 65 pontos e uma grande chance de classificação para a competição continental.

Para ficar no G4, talvez o clube "possa" perder para os adversários diretos na luta pela vaga na competição. Se quiser ser mais ousado e sonhar com título, precisa fazer uma campanha impecável. E você, acredita que o Flamengo pode ir até onde?


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.

Lucas Soares Lucas Soares 14/09/2015

Freio na empolgação rubro-negra

A torcida do Flamengo é um caso único de empolgação e decepção com seu time. Bastam duas vitórias seguidas e já começam a acreditar em tudo, enquanto duas derrotas já ligam o sinal de alerta rubro-negro. Falo com propriedade, pois faço parte da Nação e o lado emocional acaba "pensando" desta forma.

Após quatro anos longe do G4, o clube conseguiu voltar a figurar entre os quatro primeiros do Brasileirão com a vitória sobre o Cruzeiro na última quinta-feira, 10. À época, a quinta seguida. No domingo, nova vitória sobre a Chapecoense, somando a sexta consecutiva pelo Brasileirão. Líder do returno, com seis vitórias em seis jogos, o Flamengo se encontrou no campeonato sem Guerrero, jogador mais caro e referência da equipe. Na ausência do camisa 9, lesionado e convocado para a Seleção Peruana, venceu as últimas cinco vitórias e a expectativa é de uma equipe mais fortalecida com o retorno do artilheiro.

Mas é hora de colocar um freio na empolgação dos torcedores flamenguistas. Por quê? Porque essa fase invicta e de vitórias - muito provavelmente - não durará para sempre. E, mesmo que permaneça assim por mais alguns jogos, a dificuldade nos próximos confrontos tende a aumentar, principalmente nos confrontos decisivos. Onde já se viu, falar em título, estando 13 pontos atrás de um líder que não perde há 17 rodadas?

A Libertadores, no entanto, é um sonho plenamente possível, porém, muito complicado. São muitas equipes na briga e qualquer tropeço nesta reta final poderá decretar a saída da equipe do pelotão da frente. A tabela foi "generosa" com o Flamengo, colocando a equipe para enfrentar cinco dos seus adversários diretos nessa briga, todos fora de casa. Tem o Atlético-MG, o Corinthians, o Grêmio, o Santos e o Atlético-PR, jogos difíceis que vão exigir muito em termos de plantel.

Em compensação, o clube enfrenta adversários teoricamente mais fracos em seus domínios: Coritiba, Joinville, Goiás, Ponte Preta, além do clássico contra o Vasco, hoje na lanterna da competição. Completam os adversários rubro-negros os duelos contra Figueirense (F), Internacional (C) e Palmeiras (C), na última rodada. Embora os matemáticos ainda não tenham calculado um número mágico para terminar no G4, baseando-se nos últimos anos, é necessário ao menos 60 pontos. Se o Flamengo vencer os sete jogos em casa, somará mais 21 pontos e chega aos 62. Uma vitória fora dará 65 pontos e uma grande chance de classificação para a competição continental.

Para ficar no G4, talvez o clube "possa" perder para os adversários diretos na luta pela vaga na competição. Se quiser ser mais ousado e sonhar com título, precisa fazer uma campanha impecável. E você, acredita que o Flamengo pode ir até onde?


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.

-
Lucas Soares Lucas Soares 14/09/2015

Freio na empolgação rubro-negra

A torcida do Flamengo é um caso único de empolgação e decepção com seu time. Bastam duas vitórias seguidas e já começam a acreditar em tudo, enquanto duas derrotas já ligam o sinal de alerta rubro-negro. Falo com propriedade, pois faço parte da Nação e o lado emocional acaba "pensando" desta forma.

Após quatro anos longe do G4, o clube conseguiu voltar a figurar entre os quatro primeiros do Brasileirão com a vitória sobre o Cruzeiro na última quinta-feira, 10. À época, a quinta seguida. No domingo, nova vitória sobre a Chapecoense, somando a sexta consecutiva pelo Brasileirão. Líder do returno, com seis vitórias em seis jogos, o Flamengo se encontrou no campeonato sem Guerrero, jogador mais caro e referência da equipe. Na ausência do camisa 9, lesionado e convocado para a Seleção Peruana, venceu as últimas cinco vitórias e a expectativa é de uma equipe mais fortalecida com o retorno do artilheiro.

Mas é hora de colocar um freio na empolgação dos torcedores flamenguistas. Por quê? Porque essa fase invicta e de vitórias - muito provavelmente - não durará para sempre. E, mesmo que permaneça assim por mais alguns jogos, a dificuldade nos próximos confrontos tende a aumentar, principalmente nos confrontos decisivos. Onde já se viu, falar em título, estando 13 pontos atrás de um líder que não perde há 17 rodadas?

A Libertadores, no entanto, é um sonho plenamente possível, porém, muito complicado. São muitas equipes na briga e qualquer tropeço nesta reta final poderá decretar a saída da equipe do pelotão da frente. A tabela foi "generosa" com o Flamengo, colocando a equipe para enfrentar cinco dos seus adversários diretos nessa briga, todos fora de casa. Tem o Atlético-MG, o Corinthians, o Grêmio, o Santos e o Atlético-PR, jogos difíceis que vão exigir muito em termos de plantel.

Em compensação, o clube enfrenta adversários teoricamente mais fracos em seus domínios: Coritiba, Joinville, Goiás, Ponte Preta, além do clássico contra o Vasco, hoje na lanterna da competição. Completam os adversários rubro-negros os duelos contra Figueirense (F), Internacional (C) e Palmeiras (C), na última rodada. Embora os matemáticos ainda não tenham calculado um número mágico para terminar no G4, baseando-se nos últimos anos, é necessário ao menos 60 pontos. Se o Flamengo vencer os sete jogos em casa, somará mais 21 pontos e chega aos 62. Uma vitória fora dará 65 pontos e uma grande chance de classificação para a competição continental.

Para ficar no G4, talvez o clube "possa" perder para os adversários diretos na luta pela vaga na competição. Se quiser ser mais ousado e sonhar com título, precisa fazer uma campanha impecável. E você, acredita que o Flamengo pode ir até onde?


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.