Lucas Soares Lucas Soares 11/01/2016

"E lá vem eles de novo", "Olha só que absurdo"

Olá, leitores! Estou de volta com a coluna. Após esse período de "férias" de futebol, tirei minhas férias pessoais no fim do ano e, de baterias recarregadas, volto a comentar um pouquinho do mundo da bola aqui, e ocasionalmente, de outros esportes também.

O fatídico Brasil x Alemanha na Copa de 2014 rendeu boas pérolas através da narração de Galvão Bueno. Na internet, é super comum (ao menos na minha e na linha do tempo dos meus amigos) encontrar algum meme com o narrador. E as frases que dão título a primeira coluna de 2016 é uma brincadeira em relação Corinthians, campeão brasileiro de 2015, e a janela de transferências.

O Timão vem sofrendo com o assédio dos clubes estrangeiros, especificamente da China. Já são três titulares da campanha campeã que deixaram o clube rumo ao país asiático: Jadson, Renato Augusto, Ralf, além de Vágner Love, que vai para a França. O goleiro Cássio tem proposta da Turquia e é outro que deverá deixar o Corinthians em breve. Elias e Gil, ambos na Seleção Brasileira, também são alvos do assédio dos chinas e podem ser seduzidos pelo dinheiro. Para se ter uma ideia, Renato Augusto ganhará R$ 2 milhões por mês por lá, enquanto ganhava (especula-se) cerca de R$ 380 mil aqui. Não dá para dizer não, né?

O fato é que nenhum clube consegue se ver livre do poder financeiro dos asiáticos, que vão direto ao jogador para negociar. Segundo Roberto de Andrade, o presidente do Timão, o clube só fica sabendo que o atleta vai sair quando já está tudo acertado. A "ética" entre os clubes não existe por lá. Eles procuram direto o jogador, seduzem com uma proposta irrecusável, depositam o valor da multa ao clube e o negócio está sacramentado. Não há defesa e, na atual fase do futebol brasileiro, ninguém poderá nos defender.

Ao Corinthians, que pode perder até mais atletas, resta se reconstruir e tentar contratar, em um mercado fechado, caro e sem grandes nomes. Que o Cruzeiro, bi-campeão em 2013 e 2014, sirva de lição. 2016 poderá ser doloroso aos corintianos.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.

-
Lucas Soares Lucas Soares 11/01/2016

"E lá vem eles de novo", "Olha só que absurdo"

Olá, leitores! Estou de volta com a coluna. Após esse período de "férias" de futebol, tirei minhas férias pessoais no fim do ano e, de baterias recarregadas, volto a comentar um pouquinho do mundo da bola aqui, e ocasionalmente, de outros esportes também.

O fatídico Brasil x Alemanha na Copa de 2014 rendeu boas pérolas através da narração de Galvão Bueno. Na internet, é super comum (ao menos na minha e na linha do tempo dos meus amigos) encontrar algum meme com o narrador. E as frases que dão título a primeira coluna de 2016 é uma brincadeira em relação Corinthians, campeão brasileiro de 2015, e a janela de transferências.

O Timão vem sofrendo com o assédio dos clubes estrangeiros, especificamente da China. Já são três titulares da campanha campeã que deixaram o clube rumo ao país asiático: Jadson, Renato Augusto, Ralf, além de Vágner Love, que vai para a França. O goleiro Cássio tem proposta da Turquia e é outro que deverá deixar o Corinthians em breve. Elias e Gil, ambos na Seleção Brasileira, também são alvos do assédio dos chinas e podem ser seduzidos pelo dinheiro. Para se ter uma ideia, Renato Augusto ganhará R$ 2 milhões por mês por lá, enquanto ganhava (especula-se) cerca de R$ 380 mil aqui. Não dá para dizer não, né?

O fato é que nenhum clube consegue se ver livre do poder financeiro dos asiáticos, que vão direto ao jogador para negociar. Segundo Roberto de Andrade, o presidente do Timão, o clube só fica sabendo que o atleta vai sair quando já está tudo acertado. A "ética" entre os clubes não existe por lá. Eles procuram direto o jogador, seduzem com uma proposta irrecusável, depositam o valor da multa ao clube e o negócio está sacramentado. Não há defesa e, na atual fase do futebol brasileiro, ninguém poderá nos defender.

Ao Corinthians, que pode perder até mais atletas, resta se reconstruir e tentar contratar, em um mercado fechado, caro e sem grandes nomes. Que o Cruzeiro, bi-campeão em 2013 e 2014, sirva de lição. 2016 poderá ser doloroso aos corintianos.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.

Lucas Soares Lucas Soares 11/01/2016

"E lá vem eles de novo", "Olha só que absurdo"

Olá, leitores! Estou de volta com a coluna. Após esse período de "férias" de futebol, tirei minhas férias pessoais no fim do ano e, de baterias recarregadas, volto a comentar um pouquinho do mundo da bola aqui, e ocasionalmente, de outros esportes também.

O fatídico Brasil x Alemanha na Copa de 2014 rendeu boas pérolas através da narração de Galvão Bueno. Na internet, é super comum (ao menos na minha e na linha do tempo dos meus amigos) encontrar algum meme com o narrador. E as frases que dão título a primeira coluna de 2016 é uma brincadeira em relação Corinthians, campeão brasileiro de 2015, e a janela de transferências.

O Timão vem sofrendo com o assédio dos clubes estrangeiros, especificamente da China. Já são três titulares da campanha campeã que deixaram o clube rumo ao país asiático: Jadson, Renato Augusto, Ralf, além de Vágner Love, que vai para a França. O goleiro Cássio tem proposta da Turquia e é outro que deverá deixar o Corinthians em breve. Elias e Gil, ambos na Seleção Brasileira, também são alvos do assédio dos chinas e podem ser seduzidos pelo dinheiro. Para se ter uma ideia, Renato Augusto ganhará R$ 2 milhões por mês por lá, enquanto ganhava (especula-se) cerca de R$ 380 mil aqui. Não dá para dizer não, né?

O fato é que nenhum clube consegue se ver livre do poder financeiro dos asiáticos, que vão direto ao jogador para negociar. Segundo Roberto de Andrade, o presidente do Timão, o clube só fica sabendo que o atleta vai sair quando já está tudo acertado. A "ética" entre os clubes não existe por lá. Eles procuram direto o jogador, seduzem com uma proposta irrecusável, depositam o valor da multa ao clube e o negócio está sacramentado. Não há defesa e, na atual fase do futebol brasileiro, ninguém poderá nos defender.

Ao Corinthians, que pode perder até mais atletas, resta se reconstruir e tentar contratar, em um mercado fechado, caro e sem grandes nomes. Que o Cruzeiro, bi-campeão em 2013 e 2014, sirva de lição. 2016 poderá ser doloroso aos corintianos.


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol e repórter no portal Acessa.com. Já atuou em veículos impressos da cidade, como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal e foi editor-chefe do blog Flamengo em Foco por dois anos e sete meses.