Matheus Brum Matheus Brum 8/06/2015

Os "11" de Léston

Caro (a) amigo (a) internauta, há quase três meses, estreava minha coluna semanal sobre esportes falando sobre o Tupi, que naquele momento, fazia uma campanha melancólica no Campeonato Mineiro. Pois bem, se passaram quase 90 dias, o Estadual acabou, Surian caiu, Leston chegou. Além de todas essas mudanças, no "campo e bola", percebemos uma melhora considerável do time.

Muitos jogadores chegaram ao CT de Santa Terezinha, inclusive com alguns já ganhando a titularidade, como o lateral esquerdo Bruno Ré, o volante Rafael Jataí e os meias Kaio Wilker, Felipe Augusto e Vinícius Kiss. Porém, não foi só a chegada deles que fez o time mudar de patamar e começar a jogar um futebol mais vistoso do que era praticado no início do ano.

Diferentemente de Felipe Surian, Léston Júnior é um treinador que tem acompanhado as mudanças táticas feitas ao redor do mundo. Enquanto o time do Mineiro era um "bando em campo", o time da Série C tem um padrão tático definido. Se você tiver a oportunidade de assistir um jogo do Tupi, seja no estádio (de preferência) ou na TV, verá que quando o time não está com a bola, se comporta no 4-2-3-1, com Genalvo sendo o primeiro volante, responsável pelo "jogo sujo" e Rafael Jataí sendo o homem pronto para o início de uma jogada ofensiva depois da roubada de bola. Mais na frente, Kaio Wilker fica atrás de Daniel Morais, com Vinícius Kiss aberto na direita e Felipe Augusto aberto na esquerda, acompanhando os laterais adversários e, ao mesmo tempo, prontos para a puxada de contra-ataque pelos flancos.

Na hora do ataque, Genalvo evita subir ao campo adversário, justamente para evitar um contra-ataque, e a equipe ganha o apoio dos laterais, principalmente de Osmar, que faz uma boa dupla com Vinícius Kiss pela direita. A dupla de pontas é rápida e incisiva, conseguindo entregar bolas importantes para Daniel Morais, que diferentemente do Estadual, tem conseguido colocá-las na rede.

Na partida contra o Madureira nesse final de semana, Léston conseguiu colocar pela quarta vez seguida o seu "onze ideal", com Glaysson; Osmar, Fabrício Soares, Maílson e Bruno Ré; Genalvo, Rafael Jataí, Vinícius Kiss, Felipe Augusto e Kaio Wilker; Daniel Morais. A manutenção de um mesmo time, aumenta o seu entrosamento, o que acarreta em boas partidas. O grande problema que o time vem enfrentando desde o início da temporada é com a defesa. No Estadual, foi a segunda pior defesa, e na partida de sábado, tomou três gols em vacilos dos seus defensores. Com todo respeito a história de Fabrício Soares com a camisa Carijó, mas ele não pode ser o "xerife" da zaga, principalmente por conta da idade, 36 anos, que o deixa muito mais lento e vulnerável, já que do seu lado, Maílson não tem a confiança da torcida, e na grande maioria das vezes, é o responsável pelas falhas defensivas.

Agora há uma pausa na terceira divisão por conta da disputa da Copa América, não sei porque só a Série C vai parar, mas tudo bem. Nesse tempo, Léston vai ter ainda mais tempo para poder arrumar a equipe, que vem demonstrando um bom futebol. Não sou treinador, mas para o conjunto afinar, é necessário mais tabelas com os pontas, além de um treinamento de posicionamento com os zagueiros para diminuir as falhas na zaga.

Léston vem fazendo um excelente trabalho, já que pegou um time desacreditado, e hoje é o segundo colocado no Grupo B da Série C. Que os "bons ventos" continuem ao redor do CT de Santa Terezinha, para que possamos, no mínimo, não passarmos os apertos que passamos no Campeonato Mineiro.

Outros destaques

- Gol do título e coroação de uma temporada belíssima. Esse foi o sábado de Neymar, que com o tento na final da Champions, se tornou o artilheiro da competição ao lado de Messi e Cristiano Ronaldo. Que a boa fase continue durante a Copa América e o "menino de ouro" nos traga o décimo título continental.

- Ainda sem Neymar, Seleção vence o México "B" por 2 a 0, no primeiro amistoso de preparação para a Copa América, com o mesmo futebol burocrático de sempre. Ainda não consigo aceitar que jogadores que atuam na China e no "Mundo" Árabe vistam a "amarelinha".

- De ponta a ponta, Hamilton vence no Canadá e aumenta a diferença na liderança do Mundial da Fórmula 1. Além da vitória do inglês, temos que destacar a participação de Felipe Massa, que largou em 15º e terminou em 6º lugar. Para quem torce para a Wiliians e/ou Felipe Massa, na próxima corrida, daqui a três semanas, na Áustria, a scuderia vai estrear novos componentes que prometem deixar o carro mais competitivo.

- Pela primeira vez na história, o Brasil tem um campeão nas duplas de um Grand Slam de Tênis. O feito foi conquistado por Marcelo Melo, que ao lado do croata Ivan Dodig, venceu os irmãos Bryan, melhor dupla do mundo, e faturou Roland Garros, 14 anos após o tricampeonato de Gustavo Kuerten.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog"Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

-
Matheus Brum Matheus Brum 8/06/2015

Os "11" de Léston

Caro (a) amigo (a) internauta, há quase três meses, estreava minha coluna semanal sobre esportes falando sobre o Tupi, que naquele momento, fazia uma campanha melancólica no Campeonato Mineiro. Pois bem, se passaram quase 90 dias, o Estadual acabou, Surian caiu, Leston chegou. Além de todas essas mudanças, no "campo e bola", percebemos uma melhora considerável do time.

Muitos jogadores chegaram ao CT de Santa Terezinha, inclusive com alguns já ganhando a titularidade, como o lateral esquerdo Bruno Ré, o volante Rafael Jataí e os meias Kaio Wilker, Felipe Augusto e Vinícius Kiss. Porém, não foi só a chegada deles que fez o time mudar de patamar e começar a jogar um futebol mais vistoso do que era praticado no início do ano.

Diferentemente de Felipe Surian, Léston Júnior é um treinador que tem acompanhado as mudanças táticas feitas ao redor do mundo. Enquanto o time do Mineiro era um "bando em campo", o time da Série C tem um padrão tático definido. Se você tiver a oportunidade de assistir um jogo do Tupi, seja no estádio (de preferência) ou na TV, verá que quando o time não está com a bola, se comporta no 4-2-3-1, com Genalvo sendo o primeiro volante, responsável pelo "jogo sujo" e Rafael Jataí sendo o homem pronto para o início de uma jogada ofensiva depois da roubada de bola. Mais na frente, Kaio Wilker fica atrás de Daniel Morais, com Vinícius Kiss aberto na direita e Felipe Augusto aberto na esquerda, acompanhando os laterais adversários e, ao mesmo tempo, prontos para a puxada de contra-ataque pelos flancos.

Na hora do ataque, Genalvo evita subir ao campo adversário, justamente para evitar um contra-ataque, e a equipe ganha o apoio dos laterais, principalmente de Osmar, que faz uma boa dupla com Vinícius Kiss pela direita. A dupla de pontas é rápida e incisiva, conseguindo entregar bolas importantes para Daniel Morais, que diferentemente do Estadual, tem conseguido colocá-las na rede.

Na partida contra o Madureira nesse final de semana, Léston conseguiu colocar pela quarta vez seguida o seu "onze ideal", com Glaysson; Osmar, Fabrício Soares, Maílson e Bruno Ré; Genalvo, Rafael Jataí, Vinícius Kiss, Felipe Augusto e Kaio Wilker; Daniel Morais. A manutenção de um mesmo time, aumenta o seu entrosamento, o que acarreta em boas partidas. O grande problema que o time vem enfrentando desde o início da temporada é com a defesa. No Estadual, foi a segunda pior defesa, e na partida de sábado, tomou três gols em vacilos dos seus defensores. Com todo respeito a história de Fabrício Soares com a camisa Carijó, mas ele não pode ser o "xerife" da zaga, principalmente por conta da idade, 36 anos, que o deixa muito mais lento e vulnerável, já que do seu lado, Maílson não tem a confiança da torcida, e na grande maioria das vezes, é o responsável pelas falhas defensivas.

Agora há uma pausa na terceira divisão por conta da disputa da Copa América, não sei porque só a Série C vai parar, mas tudo bem. Nesse tempo, Léston vai ter ainda mais tempo para poder arrumar a equipe, que vem demonstrando um bom futebol. Não sou treinador, mas para o conjunto afinar, é necessário mais tabelas com os pontas, além de um treinamento de posicionamento com os zagueiros para diminuir as falhas na zaga.

Léston vem fazendo um excelente trabalho, já que pegou um time desacreditado, e hoje é o segundo colocado no Grupo B da Série C. Que os "bons ventos" continuem ao redor do CT de Santa Terezinha, para que possamos, no mínimo, não passarmos os apertos que passamos no Campeonato Mineiro.

Outros destaques

- Gol do título e coroação de uma temporada belíssima. Esse foi o sábado de Neymar, que com o tento na final da Champions, se tornou o artilheiro da competição ao lado de Messi e Cristiano Ronaldo. Que a boa fase continue durante a Copa América e o "menino de ouro" nos traga o décimo título continental.

- Ainda sem Neymar, Seleção vence o México "B" por 2 a 0, no primeiro amistoso de preparação para a Copa América, com o mesmo futebol burocrático de sempre. Ainda não consigo aceitar que jogadores que atuam na China e no "Mundo" Árabe vistam a "amarelinha".

- De ponta a ponta, Hamilton vence no Canadá e aumenta a diferença na liderança do Mundial da Fórmula 1. Além da vitória do inglês, temos que destacar a participação de Felipe Massa, que largou em 15º e terminou em 6º lugar. Para quem torce para a Wiliians e/ou Felipe Massa, na próxima corrida, daqui a três semanas, na Áustria, a scuderia vai estrear novos componentes que prometem deixar o carro mais competitivo.

- Pela primeira vez na história, o Brasil tem um campeão nas duplas de um Grand Slam de Tênis. O feito foi conquistado por Marcelo Melo, que ao lado do croata Ivan Dodig, venceu os irmãos Bryan, melhor dupla do mundo, e faturou Roland Garros, 14 anos após o tricampeonato de Gustavo Kuerten.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog"Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

Matheus Brum Matheus Brum 8/06/2015

Os "11" de Léston

Caro (a) amigo (a) internauta, há quase três meses, estreava minha coluna semanal sobre esportes falando sobre o Tupi, que naquele momento, fazia uma campanha melancólica no Campeonato Mineiro. Pois bem, se passaram quase 90 dias, o Estadual acabou, Surian caiu, Leston chegou. Além de todas essas mudanças, no "campo e bola", percebemos uma melhora considerável do time.

Muitos jogadores chegaram ao CT de Santa Terezinha, inclusive com alguns já ganhando a titularidade, como o lateral esquerdo Bruno Ré, o volante Rafael Jataí e os meias Kaio Wilker, Felipe Augusto e Vinícius Kiss. Porém, não foi só a chegada deles que fez o time mudar de patamar e começar a jogar um futebol mais vistoso do que era praticado no início do ano.

Diferentemente de Felipe Surian, Léston Júnior é um treinador que tem acompanhado as mudanças táticas feitas ao redor do mundo. Enquanto o time do Mineiro era um "bando em campo", o time da Série C tem um padrão tático definido. Se você tiver a oportunidade de assistir um jogo do Tupi, seja no estádio (de preferência) ou na TV, verá que quando o time não está com a bola, se comporta no 4-2-3-1, com Genalvo sendo o primeiro volante, responsável pelo "jogo sujo" e Rafael Jataí sendo o homem pronto para o início de uma jogada ofensiva depois da roubada de bola. Mais na frente, Kaio Wilker fica atrás de Daniel Morais, com Vinícius Kiss aberto na direita e Felipe Augusto aberto na esquerda, acompanhando os laterais adversários e, ao mesmo tempo, prontos para a puxada de contra-ataque pelos flancos.

Na hora do ataque, Genalvo evita subir ao campo adversário, justamente para evitar um contra-ataque, e a equipe ganha o apoio dos laterais, principalmente de Osmar, que faz uma boa dupla com Vinícius Kiss pela direita. A dupla de pontas é rápida e incisiva, conseguindo entregar bolas importantes para Daniel Morais, que diferentemente do Estadual, tem conseguido colocá-las na rede.

Na partida contra o Madureira nesse final de semana, Léston conseguiu colocar pela quarta vez seguida o seu "onze ideal", com Glaysson; Osmar, Fabrício Soares, Maílson e Bruno Ré; Genalvo, Rafael Jataí, Vinícius Kiss, Felipe Augusto e Kaio Wilker; Daniel Morais. A manutenção de um mesmo time, aumenta o seu entrosamento, o que acarreta em boas partidas. O grande problema que o time vem enfrentando desde o início da temporada é com a defesa. No Estadual, foi a segunda pior defesa, e na partida de sábado, tomou três gols em vacilos dos seus defensores. Com todo respeito a história de Fabrício Soares com a camisa Carijó, mas ele não pode ser o "xerife" da zaga, principalmente por conta da idade, 36 anos, que o deixa muito mais lento e vulnerável, já que do seu lado, Maílson não tem a confiança da torcida, e na grande maioria das vezes, é o responsável pelas falhas defensivas.

Agora há uma pausa na terceira divisão por conta da disputa da Copa América, não sei porque só a Série C vai parar, mas tudo bem. Nesse tempo, Léston vai ter ainda mais tempo para poder arrumar a equipe, que vem demonstrando um bom futebol. Não sou treinador, mas para o conjunto afinar, é necessário mais tabelas com os pontas, além de um treinamento de posicionamento com os zagueiros para diminuir as falhas na zaga.

Léston vem fazendo um excelente trabalho, já que pegou um time desacreditado, e hoje é o segundo colocado no Grupo B da Série C. Que os "bons ventos" continuem ao redor do CT de Santa Terezinha, para que possamos, no mínimo, não passarmos os apertos que passamos no Campeonato Mineiro.

Outros destaques

- Gol do título e coroação de uma temporada belíssima. Esse foi o sábado de Neymar, que com o tento na final da Champions, se tornou o artilheiro da competição ao lado de Messi e Cristiano Ronaldo. Que a boa fase continue durante a Copa América e o "menino de ouro" nos traga o décimo título continental.

- Ainda sem Neymar, Seleção vence o México "B" por 2 a 0, no primeiro amistoso de preparação para a Copa América, com o mesmo futebol burocrático de sempre. Ainda não consigo aceitar que jogadores que atuam na China e no "Mundo" Árabe vistam a "amarelinha".

- De ponta a ponta, Hamilton vence no Canadá e aumenta a diferença na liderança do Mundial da Fórmula 1. Além da vitória do inglês, temos que destacar a participação de Felipe Massa, que largou em 15º e terminou em 6º lugar. Para quem torce para a Wiliians e/ou Felipe Massa, na próxima corrida, daqui a três semanas, na Áustria, a scuderia vai estrear novos componentes que prometem deixar o carro mais competitivo.

- Pela primeira vez na história, o Brasil tem um campeão nas duplas de um Grand Slam de Tênis. O feito foi conquistado por Marcelo Melo, que ao lado do croata Ivan Dodig, venceu os irmãos Bryan, melhor dupla do mundo, e faturou Roland Garros, 14 anos após o tricampeonato de Gustavo Kuerten.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog"Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.