Matheus Brum Matheus Brum 4/04/2016

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado. 

-
Matheus Brum Matheus Brum 4/04/2016

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado. 

Matheus Brum Matheus Brum 4/04/2016

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Matemática carijó

Tudo está mais tranquilo graças a Hiroshi. O gol do camisa número 8 garantiu a vitória do Tupi em Três Corações contra o Tricordiano, pela décima rodada do Campeonato Mineiro. Com os três pontos, o Galo sobe para a oitava posição, ficando com 12. Agora, só resta uma partida para o fim da primeira fase do Estadual. Ter vencido o jogo ajudou a dar uma grande respirada na tabela, mas os riscos não acabaram. O Papo Reto de hoje traz as perspectivas para a próxima rodada.

Em caso de vitoria: Se o Tupi bater a Caldense no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pode terminar o Estadual na quinta posição, e aí terá grandes chances de disputar a Copa do Brasil do ano que vem. Para que isso aconteça, o Villa Nova não pode ganhar do Guarani em Divinópolis e o Uberlândia tem que perder ou empatar com o Tombense, em Tombos. Caso a equipe do Triângulo Mineiro vença, o alvinegro juiz-forano precisa ganhar com uma diferença de dois ou mais gols em relação à partida do seu adversário. Exemplo: Caso termine 1 a 0 para o UEC, o Tupi precisa ganhar da Caldense por 3 a 0 ou mais. Se em Tombos terminar 2 a 0 para o Uberlândia, aqui em Juiz de Fora, o "Fantasma do Mineirão" precisa vencer a partir de 4 a 0. Dessa forma, a vantagem é do Carijó pelos critérios de desempate, mais especificamente, no saldo de gols.

Em caso de empate: Caso termine empatada a partida do próximo domingo, o Tupi não corre risco de rebaixamento ao Módulo II. Na pior das hipóteses, terminaria em décimo lugar. Mas, para isso acontecer, o Boa Esporte precisaria vencer o Cruzeiro por uma vantagem de cinco gols; Tombense ganhar do Uberlândia por qualquer placar, e o Tricordiano bater o Atlético, no Horto, independente do resultado. Se isso tudo acontecer, o que é bastante improvável, o Carijó não caí porque há um confronto direto entre Tombense e Uberlândia. Com o empate, chegamos a 13 pontos e ultrapassamos a equipe do Triângulo Mineiro, que assim, vai para o Z-2.

Em caso de derrota: Caso perca para a Caldense, o Tupi tem como ser rebaixado. Mas, para isso, precisará contar com uma combinação de resultados. Basta o Boa vencer o Cruzeiro em Varginha, o Tombense vencer o Uberlândia em Tombos, e o Tricordiano vencer o Atlético-MG no Horto.

Parece improvável que tudo isso ocorra, até porque os adversários diretos do Tupi irão enfrentar os grandes clubes da capital. Porém, é legal ter uma dimensão de como as coisas ainda não estão 100% garantidas. O Carijó, mais uma vez se encontra entre o "céu e o inferno". Como disse na semana passada, o Galo tinha a chance de mudar um velho ditado que diz: "tudo que começa errado, termina errado". A vitória no último final de semana já deu um alento e uma confiança enorme, tanto para os jogadores quanto para a torcida. Agora é fazer valer o fator casa, e terminar o Estadual com dignidade, e, quem sabe, com uma vaga para a Copa do Brasil, que seria um grande prêmio para o clube. Depois disso, é hora de começar a pensar em Série B. Porque, venhamos e convenhamos, o elenco tem que ser bastante modificado.