Quarta-feira, 20 de março de 2013, atualizada às 18h30

Comércio registra saldo negativo de 223 postos de trabalho em fevereiro

Andréa Moreira
Repórter
Comércio de JF

O setor do comércio de Juiz de Fora registrou saldo negativo de 223 postos de trabalho no mês de fevereiro. Os dados divulgados pelo Ministério do Trabalho, através do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), nesta quarta-feira, 20 de março, revelam que 1.432 pessoas foram contratadas, enquanto que 1.655 foram desligadas.

Para o presidente do Sindicato do Comércio de Juiz de Fora (Sindicomércio-JF), Emerson Beloti, dois fatores são responsáveis por estes números. "Como o Carnaval, este ano, foi mais cedo, o comércio não contratou", destaca. Porém, segundo Beloti, o que mais interferiu é um processo que vem se consolidando cada vez mais em Juiz de Fora. "Muitas pessoas estão deixando o comércio e partindo para o microempreendedorismo. Sabe-se que, a cada mês, Juiz de Fora possui mais MEI's (microempreendedores individuais). O perfil das pessoas mudou, elas estão arriscando mais."

Alta rotatividade

Mesmo com os números mostrando uma redução no número de contratações, o presidente do Sindicomércio afirma que o setor está a procura de mão de obra. "Vagas de trabalho existem. O comércio não está contratando, mas está precisando. Mas os empresários precisam de pessoas especializadas e, muitas vezes, não encontram." Ainda de acordo com Beloti, o comerciante procura uma pessoa comprometida com a empresa. "A rotatividade está muito grande em Juiz de Fora. Muitas vezes, contratamos uma pessoa, a treinamos e ela fica, no máximo, pelo período de um ano."

Migração

O setor de serviços, mais uma vez, ocupou a primeira colocação nas contratações em Juiz de Fora. Em fevereiro, foram criados 3.254 postos de trabalho e 2.933 pessoas foram desligadas, gerando um saldo de 321 novos empregos neste setor. "A pessoa sai do comércio e, algumas vezes, vai para a informalidade. Depois, ela consegue se regularizar e daí surgem tantos novos prestadores de serviço", explica Beloti.

Outros setores

A construção civil teve o segundo pior desempenho no município, com 736 admissões e 850 demissões, o que ocasionou um saldo negativo de 114 postos de trabalho. Os outros setores não tiveram muita variação. A área de serviço industrial teve uma redução de seis postos de emprego; seguido pela agropecuária, com três negativos; e a extrativa mineral e administração pública, com um emprego a menos em cada. Já a indústria da transformação, que no mês de janeiro foi o setor que mais gerou emprego, com a criação de 349 novos postos, teve apenas oito este mês.

No geral, Juiz de Fora teve um saldo negativo de 19 postos de trabalho, com 6.203 pessoas admitidas e 6.222 demitidas.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.