• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde

    Doenças renais podem estar diretamente relacionadas à hipertensão, diabete e obesidade Diagnóstico tardio dificulta o tratamento, que exige atuação de profissionais de várias especialidades. Fumantes também têm propensão a desenvolver a doença

    Isabela Lobo
    Repórter
    19/10/2010

    A situação dos doentes renais no país tem se tornado cada vez mais alarmante. Isso porque o desenvolvimento da doença está diretamente ligado a problemas como hipertensão, diabete e obesidade. "A população de diabéticos chega a 25%, a de hipertensos a 20% e o número de obesos é cada vez mais crescente. Com isso, aumenta cerca de seis vezes mais a probabilidade de doenças renais", afirma o nefrologista e chefe do serviço de transplante da Santa Casa, Sebastião Ferreira. Além dos casos citados acima, fazem parte do grupo de risco pessoas com histórico familiar da doença, idosos e pacientes com cálculo renal, infecção urinária de repetição e nefrite.

    O diagnóstico da doença feito tardiamente dificulta o tratamento, pois os sintomas só se manifestam quando a doença está em fase terminal. "O início, a fase um, geralmente só é detectada por meio de exames laboratoriais. Muitas vezes, a pessoa possui a doença e não tem sintomas, por isso, é tão importante a campanha de prevenção", explica o nefrologista. Em casos mais graves da doença, onde já é frequente o aparecimento de sinais, é comum a alteração da cor da pele e da urina, fraqueza, anemia, alteração do cabelo, entre outros.

    O diagnóstico pode ser obtido através de exames de sangue e de urina. No sangue, a doença pode ser detectada através da dosagem de creatinina e na urina, através da proteinúria. Quem faz exames de rotina deve solicitar ao médico os testes, já que não é comum o pedido dos exames.

    Prevenção

    Para prevenir o aparecimento de doenças renais é preciso que o paciente verifique a possibilidade de estar no grupo de risco. Além disso, é importante, caso se enquadre no grupo, fazer o tratamento indicado a cada problema. Fumantes também estão propensos a doenças renais.

    Tratamento

    O tratamento de doenças renais exige a interação de diferentes profissionais, como nutricionistas, médicos, enfermeiros, educadores físicos, assistentes sociais e psicólogos. Os nutricionistas auxiliam na reabilitação alimentar do paciente, que precisa evitar o consumo de certas substâncias, como proteínas e sal. Já o psicólogo ajuda na conscientização do paciente, que precisa mudar seus hábitos para obter bons resultados no tratamento. O educador físico auxilia na perda de peso e no acompanhamento de atividades físicas, e o assistente social orienta o paciente quanto aos benefícios e direitos ligados à doença. "Tem que haver envolvimento global", afirma Sebastião.

    Evento

    A Liga Acadêmica de Prevenção às Doenças Renais promove o V Simpósio Multidisciplinar sobre Doenças Renais entre os dias 21 e 23 de outubro, no Centro de Ciências da Saúde da UFJF. As vagas são limitadas e o valor da inscrição é de R$ 20 para acadêmicos e R$ 30 para profissionais da área. O evento tem como objetivo alertar alunos e profissionais quanto à importância da prevenção e da conscientização da comunidade. "Muita gente tem lesão no rim e não sabe, por isso exames de rastreio são fundamentais", afirma a presidente da liga e acadêmica de enfermagem, Carla Ferreira.

    *Isabela Lobo é estudante do 8º período de Comunicação Social da UFJF.

    Os textos são revisados por Thaísa Hosken

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.