Quinta-feira, 9 de agosto de 2012, atualizada às 12h

População recebe atendimento médico gratuito durante comemoração dos 46 anos do HU

Nathália Carvalho
Repórter
HU na Praça

Cerca de 600 atendimentos e consultas de diversos setores médicos foram realizados, gratuitamente, por estudantes e profissionais do Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) durante a manhã desta quinta-feira, 9 de agosto. O evento integra as comemorações dos 46 anos do Hospital e foi realizado em vários estandes montados na Praça da Estação, no Centro.

No local, os juiz-foranos puderam realizar exames de sangue para diagnóstico de diabetes e hepatite; aferição de pressão arterial, de peso, altura e circunferência abdominal; agendamento de consultas de urologia, mamografia e pediatria; atendimento de geriatria e mastologia; além de orientações sobre prevenção bucal e alimentação. Houve, ainda, a distribuição de preservativos e cartilhas de estímulos à memória aos idosos. Os médicos do barulho também fizeram presença, mais uma vez, e alegraram profissionais e pacientes que estiveram no local.

O Centro Viva a Vida de Referência Secundária, um projeto do Governo Estadual em parceria com o HU que existe desde 2008, marcou presença no local como forma de divulgar o trabalho exercido. De acordo com o coordenador médico do Viva a Vida, Edval Nacle Estefen, o objetivo desta celebração é levar os serviços prestados pela instituição ao conhecimento da população. "O Viva a Vida tem a capacidade de realizar cerca de 2 mil exames por mês de mamografia, mas não atendemos nem metade deste número. Além disso, temos inúmeras vagas ociosas para atendimento de mastologia", conta.

O médico acredita que o motivo da falta de demanda esteja relacionado com a "falta de informação e interesse das mulheres em procurar ajuda médica". Ele lembra que mulheres entre 45 e 69 anos, mesmo que não tenham sintomas, devem realizar o exame de mamografia de dois em dois anos. "É muito importante que o diagnóstico precoce seja realizado. E é bom reiterar que as mulheres podem nos procurar para o serviço, mesmo que não tenham consultado com médicos do HU", explica.

HU na Praça HU na Praça HU na Praça

Os textos são revisados por Mariana Benicá

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.