Ana Stuart Ana Stuart 28/9/2011

Afeto, aconchego e violência

Foto de casalDesde os nossos primórdios, estamos condicionados a receber o alimento e, logo após, nos aconchegarmos em braços aquecidos e acolhedores. Por isso, possuímos tanta necessidade de associar amor à proteção.

Nossas maiores dificuldades são lidar com a solidão, perdas e ausências.

E, a partir do sentimento de desamparo, voltamos às formas primitivas e imaturas de expressar nossa raiva e nossa dor.

Podemos pensar então que a violência nas relações humanas está totalmente associada à falta de amor, de proteção, do medo da solidão, das perdas e inabilidade em lidar com as ausências.

Então, como viver em sociedade se estes sentimentos já se afloram ao nascermos?

Os instintos básicos são a agressividade e a sexualidade. Buscamos, incessantemente, o prazer e nos defendemos, o tempo todo, com a agressividade. É nossa luta diária, constante, única, pessoal, intransferível e indivisível.

Necessitamos muito uns dos outros e é ai que está a riqueza das relações interpessoais. Necessitamos de referências, exemplos e de força para seguirmos na jornada.

O que nos dá esta força são as energias afins, ou seja, pessoas que buscam na mesma medida a evolução pessoal. Pessoas que encaram o sofrimento da reforma íntima, sem fugir através das drogas. Comportamentos viciosos ou dependências emocionais de cobranças.

Mas que se olham no espelho e ao mesmo tempo se espelham.

Quem tem essa coragem, certamente sairá da violência e encontrará o afeto e o aconchego. E uma boa dose de silêncio e paciência não farão mal, é caminho certo!

Mais artigos

Ana Stuart
é psicóloga e terapeuta familiar

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.