Ana Stuart Ana Stuart 9/6/2012

Alteridade e ressignificação

CasalAceitar o outro como ele realmente é, sem idealizá-lo. É o olhar diferenciado a partir do outro... É a interdependência, mas sem dependência, e, sim, com empatia.

Mas como conviver depois de ter tido intimidade e descoberto que os valores não são mais significantes?

Pior é quando se perde a admiração e, consequentemente, a libido.

Mas ainda pior é tonar-se dependente emocionalmente do outro e, com isso, parar de partilhar e passar a vigiar.

Ou até mesmo afastar-se do outro devido à sabotagem dos sentimentos por medo de sofrer.

Existem também os casos do perfeccionismo paralisante, que é quando você se torna tão seletivo e exigente que ninguém serve para se relacionar com você.

Há casos em que o medo de dar certo é grande por não saber como "manter".

Como também o fazer para depois desfazer, ou seja, conquisto e depois descarto... Só pelo prazer da conquista.

São inúmeros os casos da autossabotagem, na maior parte das vezes, inconsciente.

O medo de ser amado por não se achar merecedor da felicidade por culpas e culpas.

O antídoto contra a autossabotagem é a alteridade, que é aceitar o outro como ele realmente é, e serve para nós mesmos, aceitando-nos como "realmente" somos.

Trabalhar também dentro de nós a ressignificação, fazendo uma leitura mais profunda diante do que você já aprendeu e apreender.

Votar a ver valores nas coisas em face dos outros.

Muitas vezes, precisamos reler um livro para entender melhor.

Diante da vida, acontece o mesmo, muitas vezes, precisamos ressignificar com alteridade para conseguirmos seguir enfrente em nossa jornada.



Ana Stuart
é psicóloga e terapeuta familiar.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.