Paulo César Paulo César 27/1/2012


A Invenção de Hugo Cabret e O Artista recebem o maior número de indicações e são favoritos ao Oscar 2012

Foto de filmesA Academia de Artes Cinematográficas apresentou na última terça-feira a lista daqueles que estarão presentes na 84ª cerimônia de entrega do Oscar, que está marcada para o próximo dia 26 de fevereiro, em Los Angeles. As produções que receberam o maior número de indicações foram A Invenção de Hugo Cabret, de Martin Scorcesse, com 11, e O Artista do francês Michel Hazanavicius, com 10. Como sempre a lista gera polêmicas e controvérsias, o que dificulta ainda mais as apostas nos prováveis vencedores. O Brasil será representado pela canção da animação Rio de Carlos Saldanha.

A categoria de melhor ator apresentou uma das maiores surpresas da lista, já que Demián Bichir (A Better Life), que só figurou na lista do SAG, tirou a vaga de Leonardo DiCaprio (J. Edgar) que esteve presente em quase todas outras premiações. Gary Oldman, que interpreta um espião anti-007 na ótima adaptação de John Le Carré, O Espião que Sabia Demais, mereceu a indicação. Entretanto a disputa deve ficar mesmo entre o galã George Clooney por Os Descendentes e Jean Dujardin (O Artista), já que ambos faturaram o Globo de Ouro.

Entre as atrizes nenhuma surpresa. Glenn Close voltou a ser lembrada pelo seu trabalho em Albert Nobbs, e Rooney Mara (Os Homens que Não Amavam as Mulheres) preenche a vaga que todo ano parece ser reservada a uma jovem atriz. A disputa promete, já que a incansável Meryl Streep, em sua 17ª indicação, é forte, interpretando a ex-primeira ministra britânica Margareth Tatcher em A Dama de Ferro. Por outro lado, Michelle Willians que, assim como Streep, venceu o Globo de Ouro, vem encantando os críticos trazendo de volta Merilyn Monroe em Sete dias com Merilyn. Porém, Viola Davis pode estragar a festa com seu brilhante desempenho em Histórias Cruzadas, já que faturou alguns prêmios em solo americano, os chamados Guilds.

Nas categorias de coadjuvantes, destaque para os veteranos Christopher Plummer (Toda a Forma de Amor) e Max Von Sydow (Tão forte e Tão perto), apesar de o primeiro carregar todo o favoritismo. Entre as mulheres, a comediante Melissa McCarthy roubou a cena em Missão Madrinha de Casamento e fez jus a sua nomeação, mas corre por fora para tentar derrotar as fortes candidatas Octavia Spencer e Jessica Chastain, que fizeram ótimo trabalho em Histórias Cruzadas.

Nas disputas mais esperadas, a ousada produção muda e preto e branco do francês Michel Hazanavicius (O Artista) divide o posto de favorito ao lado da aventura tecnológica de um órfão, sob a batuta de Martin Scorcesse (A Invenção de Hugo Cabret), e também do drama moderno e independente de Alexander Payne (Os Descendentes) que faturou o Globo de Ouro na categoria drama. Os dois primeiros levam vantagem pelo fato de o Oscar levar muito em consideração questões técnicas, tais como montagem, fotografia e direção de arte. Vencedor em Cannes, A Árvore da Vida, do cult Terence Malick, aparece entre os preferidos do público, mas é provável que vença apenas em fotografia, excelente trabalho de Emmanuel Lubezki. Completam a lista Meia-noite em Paris, Histórias Cruzadas, O Homem que Mudou o Jogo, Cavalo de Guerra e Tão forte e Tão perto.

E para diretor, Hazanavicius tem Martin Scorcese como adversário direto, já que seus filmes ostentam o maior número de indicações. A categoria ainda traz a notícia que mais agradou os cinéfilos, a volta de Woody Allen na disputa, fato que não ocorria desde Tiros na Brodway (1994). De lá para cá só recebeu indicações por roteiro. Completam a lista Terence Malick e Alexander Payne.

Nas demais categorias, destaque para a inacreditável ausência de As Aventuras de Tintim para melhor filme de animação e Os Homens que não Amavam as Mulheres em montagem, que provocaram descontentamento e polêmica no meio cinematográfico. Já o filme iraniano A Separação que está na corrida por filme estrangeiro, só não vencerá por um equívoco muito grande, pois na categoria venceu quase todos os prêmios que disputou mundo afora. O Brasil que já estava fora do páreo com Tropa de Elite 2, teve de amargar a ausência do documentário inglês Senna, que narra as façanhas do piloto brasileiro, e ainda a do longa de animação Rio de Carlos Saldanha. Entretanto, a divertida história da arara-azul Blu carrega nossas esperanças, pois a canção Real in Rio, de Carlinhos Brown e Sérgio Mendes, tem muitas chances por ter apenas um adversário, Man or Muppet, de Os Muppets. Vale a torcida.

Mais críticas

Paulo César da Silva é estudante de Jornalismo e autodidata em Cinema.
Escreveu e dirigiu um curta-metragem em 2010, Nicotina 2mg.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.