Matheus Brum Matheus Brum 14/12/2015

Reformulação Carijó

tupiO ano vai chegando ao fim, e como é comum nessa época, o noticiário esportivo fica "inundado" de informações sobre compra, venda e empréstimo de jogadores. É atleta trocando de time, rescindindo contrato, entrando na Justiça, etc. E com o Tupi não é diferente. Porém, uma situação vem me deixando um pouco preocupado: a qualidade dos jogadores que vestirão a camisa Carijó em 2016.

Até agora, 15 nomes já foram confirmados pela diretoria. Das peças que formaram o plantel dessa temporada, alguns tiveram contrato renovado: Os goleiros Glaysson e Gonçalves, o lateral-direito Osmar, o lateral-esquerdo Thiaguinho, o zagueiro Fabrício Soares, os volantes Rafael Jataí, Filipe Alves e Vinícius Kiss, o meia Ygor e o atacante Ramon. Além desses, foram contratados os zagueiros Helder e Léo Fortunato, o lateral-direito Douglas, o meia Hiroshi e o atacante Michel Douglas.

Alguns jogadores como Glaysson, Osmar, Jataí e Kiss, tiveram papel fundamental na campanha do acesso. Contudo, todos os outros que tiveram contrato renovado, ou foram reservas, ou não tiveram destaque como os citados. Isso gera uma preocupação, pois coloca em duvida o planejamento para a próxima temporada. Como disputar uma Série B com jogadores que não se destacaram na C? Não que tenha que abrir mão da política financeira e fazer loucuras. Só que não da apenas para se reforçar de jogadores que devem ficar na reserva. Até mesmo as contratações se enquadram nesse perfil. Tirando Léo Fortunato, todos os outros não possuem passagens por times grandes, e muito menos, estavam atuando em clubes com "padrão Segunda Divisão".

Para complicar a situação, vaza a notícia de que o clube está devendo alguns vencimentos e premiações a atletas que já deixaram Santa Terezinha. Isso desgasta a imagem do clube com jogadores em negociação, que podem perder a confiança na palavra da diretoria.

Tudo bem que há pouco tempo que findaram os campeonatos nacionais. Todavia, está na hora do Tupi se movimentar mais no mercado, começar a pensar em peças que chegarão para ser titular. Não da para montar dois times no ano. Essa história de um grupo de jogadores pro Mineiro e outro pro Nacional, não cola mais. A distância entre os torneios é muito pequena, e uma mudança abrupta no plantel pode trazer consequências terríveis para o "Fantasma do Mineirão".

Os jogadores que tiveram o contrato renovado se apresentam nessa semana, para começar a preparação visando o Estadual.

Ainda há muito tempo para os diretores contratarem. Porém, a torcida já está começando a perder paciência. Nessa semana foi lançado nas redes sociais um movimento pedindo o afastamento de Cloves Santos, vice-presidente do Conselho Gestor. Ele possui uma relação de amor e ódio com os adeptos, situação que pode piorar caso a campanha no Mineiro seja ruim. 2015 foi um ano praticamente perfeito para os carijós. Mas, antes mesmo dele acabar, uma crise ronda Santa Terezinha.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

Matheus Brum Matheus Brum 14/12/2015

Reformulação Carijó

tupiO ano vai chegando ao fim, e como é comum nessa época, o noticiário esportivo fica "inundado" de informações sobre compra, venda e empréstimo de jogadores. É atleta trocando de time, rescindindo contrato, entrando na Justiça, etc. E com o Tupi não é diferente. Porém, uma situação vem me deixando um pouco preocupado: a qualidade dos jogadores que vestirão a camisa Carijó em 2016.

Até agora, 15 nomes já foram confirmados pela diretoria. Das peças que formaram o plantel dessa temporada, alguns tiveram contrato renovado: Os goleiros Glaysson e Gonçalves, o lateral-direito Osmar, o lateral-esquerdo Thiaguinho, o zagueiro Fabrício Soares, os volantes Rafael Jataí, Filipe Alves e Vinícius Kiss, o meia Ygor e o atacante Ramon. Além desses, foram contratados os zagueiros Helder e Léo Fortunato, o lateral-direito Douglas, o meia Hiroshi e o atacante Michel Douglas.

Alguns jogadores como Glaysson, Osmar, Jataí e Kiss, tiveram papel fundamental na campanha do acesso. Contudo, todos os outros que tiveram contrato renovado, ou foram reservas, ou não tiveram destaque como os citados. Isso gera uma preocupação, pois coloca em duvida o planejamento para a próxima temporada. Como disputar uma Série B com jogadores que não se destacaram na C? Não que tenha que abrir mão da política financeira e fazer loucuras. Só que não da apenas para se reforçar de jogadores que devem ficar na reserva. Até mesmo as contratações se enquadram nesse perfil. Tirando Léo Fortunato, todos os outros não possuem passagens por times grandes, e muito menos, estavam atuando em clubes com "padrão Segunda Divisão".

Para complicar a situação, vaza a notícia de que o clube está devendo alguns vencimentos e premiações a atletas que já deixaram Santa Terezinha. Isso desgasta a imagem do clube com jogadores em negociação, que podem perder a confiança na palavra da diretoria.

Tudo bem que há pouco tempo que findaram os campeonatos nacionais. Todavia, está na hora do Tupi se movimentar mais no mercado, começar a pensar em peças que chegarão para ser titular. Não da para montar dois times no ano. Essa história de um grupo de jogadores pro Mineiro e outro pro Nacional, não cola mais. A distância entre os torneios é muito pequena, e uma mudança abrupta no plantel pode trazer consequências terríveis para o "Fantasma do Mineirão".

Os jogadores que tiveram o contrato renovado se apresentam nessa semana, para começar a preparação visando o Estadual.

Ainda há muito tempo para os diretores contratarem. Porém, a torcida já está começando a perder paciência. Nessa semana foi lançado nas redes sociais um movimento pedindo o afastamento de Cloves Santos, vice-presidente do Conselho Gestor. Ele possui uma relação de amor e ódio com os adeptos, situação que pode piorar caso a campanha no Mineiro seja ruim. 2015 foi um ano praticamente perfeito para os carijós. Mas, antes mesmo dele acabar, uma crise ronda Santa Terezinha.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

-
Matheus Brum Matheus Brum 14/12/2015

Reformulação Carijó

tupiO ano vai chegando ao fim, e como é comum nessa época, o noticiário esportivo fica "inundado" de informações sobre compra, venda e empréstimo de jogadores. É atleta trocando de time, rescindindo contrato, entrando na Justiça, etc. E com o Tupi não é diferente. Porém, uma situação vem me deixando um pouco preocupado: a qualidade dos jogadores que vestirão a camisa Carijó em 2016.

Até agora, 15 nomes já foram confirmados pela diretoria. Das peças que formaram o plantel dessa temporada, alguns tiveram contrato renovado: Os goleiros Glaysson e Gonçalves, o lateral-direito Osmar, o lateral-esquerdo Thiaguinho, o zagueiro Fabrício Soares, os volantes Rafael Jataí, Filipe Alves e Vinícius Kiss, o meia Ygor e o atacante Ramon. Além desses, foram contratados os zagueiros Helder e Léo Fortunato, o lateral-direito Douglas, o meia Hiroshi e o atacante Michel Douglas.

Alguns jogadores como Glaysson, Osmar, Jataí e Kiss, tiveram papel fundamental na campanha do acesso. Contudo, todos os outros que tiveram contrato renovado, ou foram reservas, ou não tiveram destaque como os citados. Isso gera uma preocupação, pois coloca em duvida o planejamento para a próxima temporada. Como disputar uma Série B com jogadores que não se destacaram na C? Não que tenha que abrir mão da política financeira e fazer loucuras. Só que não da apenas para se reforçar de jogadores que devem ficar na reserva. Até mesmo as contratações se enquadram nesse perfil. Tirando Léo Fortunato, todos os outros não possuem passagens por times grandes, e muito menos, estavam atuando em clubes com "padrão Segunda Divisão".

Para complicar a situação, vaza a notícia de que o clube está devendo alguns vencimentos e premiações a atletas que já deixaram Santa Terezinha. Isso desgasta a imagem do clube com jogadores em negociação, que podem perder a confiança na palavra da diretoria.

Tudo bem que há pouco tempo que findaram os campeonatos nacionais. Todavia, está na hora do Tupi se movimentar mais no mercado, começar a pensar em peças que chegarão para ser titular. Não da para montar dois times no ano. Essa história de um grupo de jogadores pro Mineiro e outro pro Nacional, não cola mais. A distância entre os torneios é muito pequena, e uma mudança abrupta no plantel pode trazer consequências terríveis para o "Fantasma do Mineirão".

Os jogadores que tiveram o contrato renovado se apresentam nessa semana, para começar a preparação visando o Estadual.

Ainda há muito tempo para os diretores contratarem. Porém, a torcida já está começando a perder paciência. Nessa semana foi lançado nas redes sociais um movimento pedindo o afastamento de Cloves Santos, vice-presidente do Conselho Gestor. Ele possui uma relação de amor e ódio com os adeptos, situação que pode piorar caso a campanha no Mineiro seja ruim. 2015 foi um ano praticamente perfeito para os carijós. Mas, antes mesmo dele acabar, uma crise ronda Santa Terezinha.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.