Cec Cecília Junqueira 24/03/2016

Tabagismo

O vício pelo tabaco é de proporção tão descomunal, que ultrapassa a posição de epidemia e ganha status de pandemia. É a segunda causa que mais mata no mundo. Metade, eu repito, metade dos fumantes morrerá por complicação de saúde decorrente do vício.

Fumar é uma lastimável condescendência para a morte. São mais de 50 doenças relacionadas ao fumo, sendo as mais comuns cardiovasculares, pulmonares e câncer, com uma carga de sofrimento muito, muito grande, para o fumante e para a família.

Existe também outro tipo de perda ao fumar, que não está na estatística de saúde, não está necessariamente nos livros, é mais subjetiva, sutil, mas que aparece nos capítulos da vida do fumante: perde-se inestimável tempo e qualidade de vida ao fumar. Os minutos das tragadas se transformam em horas, dias, anos... Quantas pausas na brincadeira com o filho, na produção de um trabalho, na visita de um lugar bacana para o trago? Fumar é um hábito desconectado da maioria dos cenários que se usufrui; é proibido fumar na escola, restaurante, no hotel. Espaços destinados ao fumo (fumódromos) são cada vez mais lugares discriminados, espremidos, segregados. Fumar virou uma metáfora da cadeira do pensamento, é como se a sociedade dissesse: "Você fez algo errado e por isso precisa se isolar para pensar..."

A delimitação de um espaço para o fumante é inevitável, porque fumante passivo não é obrigado, e também porque dificultar o uso do cigarro reduz a frequência do consumo e é preciso estabelecer barreiras: fumódromos, aumento do preço do maço, proibição de propagandas, trabalho de prevenção, tudo ajuda.

Infelizmente existe também uma associação entre fumar e o abuso de álcool e outras drogas, um mal hábito nunca se manifesta sozinho.

Quem pensa em parar de fumar, tem uma certa intimidade com o sentimento de culpa e a baixa estima. E quem já tentou parar de fumar sabe dos efeitos físicos e psicológicos da abstinência, entre eles os mais comuns são: depressão, ansiedade, irritação, aumento do apetite, falta coordenação motora, fissura, pressão e batimentos cardíacos alterados.

Como toda grande decisão, parar de fumar exige firmeza, planejamento, aceitação da impotência diante do vício e o reconhecimento da necessidade de ajuda.

Algumas sugestões para o tratamento da dependência química:

Tratamento não farmacológico:

  • Terapia individual e de grupo
  • Acompanhamento médico
  • Material auto ajuda
  • Exercícios físicos
  • Acupuntura

Tratamento farmacológico:

  • Medicação em forma de cápsula, adesivo, goma de mascar.
  • Antidepressivo

Não desista nas primeiras tentativas, o processo de adaptação ao tratamento exige tempo, dedicação diária e entendimento sobre qual maneira de se tratar será melhor para você, só se acerta através da experimentação, no decurso da tentativa-erro. Aceite que recaídas fazem parte do processo de algumas pessoas e que não será fácil, mas não tem nada mais difícil do que sucumbir ao vício!


Cecília Sertã Junqueira Rodrigues é Terapeuta Conselheira em Dependência Química, presta consultoria para empresas e escolas e aconselhamentos individuais em clínica.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.